NBplayers. Bart van Raaij, o Coleccionador De Blocos.

Julho 4, 2014

 

Bart van Raaij, 44 anos, Holandês, mais propriamente de Roterdão, pai de família, designer gráfico especializado em tipografia. É também um ávido e forte escalador de bloco, fundamentalmente conhecido pelos seus famosos guias de Fontainebleau, “7+8”e agora também o “5+6”, em dois volumes, autênticas bíblias da floresta, onde impera o detalhe, a precisão e um design sóbrio, equilibrado e moderno. Passou recentemente por Portugal, mais propriamente por Santo Tirso e Corno de Bico. Aproveitámos a ocasião para lhe fazer algumas perguntas sobre as suas impressõesacerca do Bloco em geral, mas também sobre o nosso terreno de jogo favorito.

Nota: Resolvemos deixar a entrevista tal qual foi originalmente feita, em Inglês, idioma natural entre os dois interlocutores. SM

Bart van Raaij, 44 years old, Dutch, more precisely from Rotterdam, family father, graphic designer specialized in tipography. He is also an avid and strong climber, mainly known for his famous Fontainebleau climbing guidebooks, “7+8” and the more recent “5+6”, edited in 2 volumes, which are true forest bibles, where there was paid lots of attention to detail, precision and sober, balanced and modern design. He recently came to Portugal,more specifically to Santo Tirso and Corno do Bico. We took the opportunity to make him a few questions and hear some of his thoughts about Bouldering in general, but also about our favourite playground.

NB: We decided to publish this interview as it was made, in English, since this is the natural language between the 2 interlucotors.

 

Bart, this was, I think , your second visit to Portugal , to do Bouldering . What areas did you visit and what impression did you get from them?

Yes, this spring I visited Portugal for the second time in my life. Both with my family and the same friends. The first time we went to Pedra do Urso (2009) and this year to Santo Tirso and Corno de Bico. On trips like this we combine holidays with our children and some bouldering. I like to visit different countries and get to know them a little more. The bouldering in Portugal is not very well know and we always have a hard time finding information and a topo.

 

What area you liked the most?

A hard question. The landscape in Pedra do Urso is weird and wild. We saw so much potential and we knew so little. We just climbed beside the road with very little information. So it was very good but a bit disappointing too. We didn’t meet any other climbers that trip. But we had a great time and enjoyed the area very much. The rock was very sharp and we hoped to discover less sharp rock in the northern areas. Santo Tirso is a very friendly place. Great for the children; water to play with and low boulders to climb on. We found only one sector and climbed only two days. Again we didn’t meet any other climber. We were happy with the less sharp rock. Corno de Bico was shown to us by you. The landscape is beautiful over there. We saw a lot of boulders and tried only a few. Again a great place but with very shap rock. You need to be very motivated to try hard in Corno de Bico. So, if I return to Portugal I would choose Santo Tirso to visit again because I left some unfinished business… But I think Pedra do Urso and Corno de Bico are better areas. I will only go back there with a guidebook or with a local.

 

What were the main differences you found between the Bouldering in Portugal and in the areas that you frequent regularly?

The area were I climb the most is Fontainebleau. The main difference is the information to be found. I own 30 Font guidebooks and I have written three of them. So I always know were to go and what to try. Another difference is the sharpness of the rock. In Font I can climb for four days without splitting a finger. In Santo Tirso I split a finger the first climbing day and I have very good skin…

 

During your passage through our country, you ended up repeating some reference problems.What do you think about their grades, comparing them towhat can be found on other places in Europe?

I don’t know which are the Portuguese reference problems but in general the grades are a little friendlier in other areas than in Font. Because there is no guidebook I didn’t know the exact grades of the problems I have done. In Pedra do Urso I did Mantorras Reloaded which I thought was graded 8a at the time I climbed it. I think 7c+ is the correct grade and I recently discovered this grade on NorteBouldering. Rosa Negra is a very good problem and when I climbed it in 2009 I saw it was graded 7b+. Compared to most European areas this is correct but my personal grade would be 7b. In Santo Tirso I repeated Descola Estático 7c. I could do it very quick and with my arm span it could be 7b+ too. I did all the moves of the sit start but I could not finish it with my split finger and high temperatures. It did not feel like 8a+ but I need to do it first to have the right to say something about the grade.

 

In general terms, what do you think about grades and rating systems, especially on  Bouldering, where there are, on one hand, many constraints that make it extremely subjective, and on the other hand there is a media pressure, coupled with a growing professionalization of the sport, which require anextremely objective and precise grading system ?

I like grading! I think it is fun to discuss grades and for me it is an important part of the sport. As a guidebook writer I like to be as precise as possible when I grade problems. But a grade is always an indication. It can feel different for other people. It is logical that some people think a 7c problem is 7b+ and others think it is 7c+. But talking about grades is only fun if everybody is honest and without pride. It doesn’t matter to me if a problem is 7b+ or 7c, as long as the grade is as precise as possible. I downgrade a lot. Not to show how ‘easy’ a problem is for me (or to show how ‘strong’ I am) but to be as honest as possible about how hard it really felt to me. I also upgrade problems. Some classics in Font are extremely hard and there are people blaming me for upgrading classics as l’Abattoir, Marie Rose and Angle Parfait. I don’t feel any media pressure and I think professional climbers shouldn’t either. If a boulder is just opened it’s obvious that the grade might change after some repeats. If every repeater says what he really thinks, the correct grade of a problem appears automatically.

 

In 2002 you created the Fontainebleau guidebook  7+8 . This is, in my opinion, one of the best guidebooks ever produced, either in terms of information accuracy, as well as in terms of design. What was at the genesis of this project?

Thank you! Well, in the nineties I had completed a list with all the straight ups graded 7a and harder in Fontainebleau. Just because I was interested. This was just a long list with problem names, grades and some other information, almost the same as the right pages of my 7+8 guidebook. To carry it around I had made a small book of this list, just one copy. Made by hand. People started asking me for a copy. One person asked me if he could publish my information on internet and this is how the website bleau.info started. In 1998 I decided to try to make a real guidebook. I am a graphic designer, so I know how to make books, I like photography, I like to draw maps and I love to climb. So why not? Four years later I had drawn topo’s of all the areas and brought my book to the printer. It was very expensive but in three years I had sold all my copies and people kept asking for more…

 

Now we have a second edition of 7+8 and  5+6 recently.What led to the emergence of these new guidebooks?

The third edition of 7+8 already! Well, the first edition was sold out after three years I had been updating my book all those years so I decided to publish a second edition in 2007. And again, all my books were sold within three years and the shops kept asking for more… And then the crisis came. My graphic design studio wasn’t doing very well and I didn’t make much money with my 7+8 books. I decided to make a 5+6. For commercial reasons, but also because I like the work combined with climbing in the forest. I published 5+6 in 2012 and the third 7+8 in 2013.

 

When the second edition of 5+6 is complete how many problems will be described in both 5+6 and 7+8  books?  Does it make sense to think about a global guide for Fontainebleau, or it would be a monstrous task?

The next 5+6 will list more than 3000 problems. I hope to publish this book with Buthiers, TroisPignons and the northern areas at the end of this year. Together with 7+8 and the other 5+6 there will be about 10 000 straight ups in my books. I don’t know if I will ever find the time and the motivation to describe the 1+2 and 3+4 problems too. But I have said this about 5+6 for years, so who knows… But honestly, I don’t think so. A total guide for Fontainebleau will be almost impossible to make. To the north-west of the areas which I describe the are many more areas… There is a German book whith all the areas but this book doesn’t describe all areas in detail.

 

In the Netherlands there is an exclusive magazine aboutBouldering, on which you are involved.At what point is this project now?

For five years a friend and I were the owners and editors of the magazine BLOK. A rock climbing magazine. Sport and boulder. Four issues a year. It was great but last year we decided to stop. We just couldn’t make enough money with a magazine like this in such a small country.

 

In the U.S. there was also an attempt to create a Bouldering magazine with Vbouldering , which did not work. Do you think the sport has not grown enough to have an exclusive publication?

I think publishing magazines is hard these days. My partner for BLOK works at Reed Business, a large publisher, and they also have a hard time publishing magazines. Sending our publications to our subscribers was so expensive. People are used to read information for free on the internet these days…

Finally, what sectors  you recommend for a quick visit to Fontainebleau ?

This depends on the weather, your climbing level and how busy it is in the forest. I love all sectors but not at all times. If you like to meet people, go to Bas Cuvier, Apremont, Isatis, Éléphant, Cul de Chien or Sabots. These areas are crowded and for a reason; lots of good problems, all grades, circuits with colored arrows, nice landings and close to the car parks. If you like all this but are looking for a little more quiet place, try Rocher Canon, Cuisinière, Petit Bois, Buthiers, RocherGuichot, Potala, Canche aux Merciers and Bois Rond. If you like it even more quiet and don’t care about circuits or a longer walk in, try Gorges du Houx, Mont Aigu, Rocherd’Avon, Rocher des Demoiselles, Restant du Long Rocher, RocherGréau, Rocher Fin or Roche aux Oiseaux. All these areas have a lot of good problems.

If you want something very special, try the three different areas of Cassepot, walk along the ridge of Marion les Roches, explore la Padôle (don’t forget the western part) or try one of the very quiet areas in Beauvais.

 

And … if you had to choose a problem in Fontainebleau , what would it be?

Just one? Amok. The most finger friendly 8a in the world.Technical, powerful, dynamic, precise, good looking, pure, short and in a quiet setting.A true bold star in my guidebook.

 


MBC13. Highlights

Abril 24, 2014

Falta exactamente um mês para o MBC14. Como tal, há que assinalar a data.

Depois de 11 meses passados, um disco duro perdido em França com todas as imagens/projecto e de um milagroso backup automático, esquecido num servidor, que permitiu recuperar parte das filmagens, aqui fica uma edição “rápida” dos momentos mais importantes do MBC13. Não se perdeu o registo e serve de mote a que se iniciem as hostilidades.

O ano passado foi assim, este ano só o CEM sabe como vai ser…

Pedro Rodrigues

 


Quarta-Feira Fotos. Coroa de Mosquitos.

Abril 9, 2014
Filipe Carvalho, às cegas, procura o micro-hueco perdido no meio dos aplates...Coroa de Mosquitos, Adaúfe, Serra da Freita. Foto: Sérgio Martins.

Filipe Carvalho, às cegas, procura o micro-hueco perdido no meio dos aplates…Coroa de Mosquitos, Adaúfe, Serra da Freita. Foto: Sérgio Martins.


A Arte do Bloco, Segundo John Gill.

Abril 1, 2014

A arte do Bouldering

 

Já aqui falamos muitas vezes sobre John Gill, quer pela sua importância na fundação da prática do bloco como a conhecemos hoje, quer pelas suas geriáticas aparições, em provecta idade, a fazer números de ginástica em parques infantis. Performances de fazer corar muitos dos seus mais novos seguidores.

Pesquisando sobre a história do Bloco “tropecei” neste artigo seminal de John Gill publicado em 1969 no America Alpine Jornal, este artigo, ou ensaio talvez, marcará o advento do Bloco moderno ao encorajar o seu reconhecimento como forma autêntica de escalada. Foi à 45 anos e se hoje a prática do bloco é aceite como autónoma do resto das actividades escalatórias muito se deveu a John Gill, um autentico visionário.

Devido à importância da peça e à escassa informação sobre bloco e escalada existente em português ensaiei aqui uma tradução da mesma, um pouco como exercício para me ajudar à compreensão do mesmo. Como é óbvio não sou tradutor, tentei escrever o melhor possível adaptando para português e principalmente tentando usar termos de escalada que sejam comuns aos escaladores portugueses. O texto, pelos standards actuais, não é muito fácil nem directo e tem algumas interessantes subtilezas, mordazes em algumas circunstancias, que se por um lado lhe conferem um carácter quase anacrónico por outro revelam uma mente também ela bem trabalhada e com profundidade, uma mente que acompanha as conhecidas performances do corpo a que pertence. Uma lufada de ar fresco que nos chega do passado, para nos fazer repensar um pouco a nossa actividade.

O texto é surpreendente, a todos os níveis, imaginem um mundo onde o grau máximo seria à volta de 6a, e alguém pensar desta forma. Agora reparem como os escaladores de competição estão a treinar hoje em dia, parece moderno não é? E até inovador. Mas comparem com o que escreveu JGill… Ter razão antes do tempo é uma característica dos visionários, claros que as suas ideias ao nível da sobreposição da forma sobre o resultado não singraram, ou sobre as graduações, mas não quer isso dizer que estivesse errado, ou que as coisas não irão mudar no seu sentido.

Fica aqui a tradução. Um artigo para quem se interessa pelo bloco, e gosta de ver um pouco mais além que a nuvem de magnésio e números que nos ensombra os dias. São bem vindas reflexões livres sobre o ensaio, a própria tradução etc. que nos ajudem a reflectir um pouco mais sobre a nossa actividade.

Uma última nota, no texto aparece muitas vezes bloco ou bouldering, obviamente o significado é sempre o mesmo. SM

A Arte do Bouldering

Por John P. Gill

No amplo espectro do montanhismo existem actividades adequadas a todo o tipo de interesses e temperamentos. Sem dúvida alguma que a vitalidade deste entusiasmante modo de vida deriva desta sua variedade. Se colocarmos o montanhismo expedicionário de grande escala, com as suas extensíssimas aproximações e logísticas exasperantes, numa extremidade do espectro, então, na outra extremidade, pode ser encontrado o imediatamente gratificante, ou talvez frustrante, desporto menor do Bouldering.

Este é um passatempo epigramatizado por Yvon Chouinard, com sua sagacidade habitual, como “sofrimento instantâneo”. Não restam muitas dúvidas da aptidão desta frase, porque o bloco é essencialmente escalada de um só largo com ênfase em movimentos de grande dificuldade. Frequentemente o Bloco pode ser feito sem recurso a cordas em pequenas paredes e blocos, onde um salto para o chão é possível. Em escaladas mais longas a corda pode ser empregue quer a partir de cima ou de baixo, dependendo da natureza do problema. Assim algumas escaladas significantemente difíceis de quinta classe1 podem ser consideradas de Bloco. Uma escalada dita “de bloco” deve envolver movimentos cuja classificação de quinta classe seja pelo menos F 10. As quedas serão de esperar como inerentes e se todo um grupo realiza uma ascensão sem quedas ou saltos para o chão, o rótulo: bouIdering pode ser questionável.

A partir destes comentários, poderíamos ser levados à conclusão de que bouldering é simplesmente uma prática de escalada para o especialista, mas há mais substância neste desporto para além disso. O Bouldering fornece competição informal semelhante à variedade mais formal encontrada em ginástica artística ou de competição. Além disso a comparação é bastante apropriada uma vez que ambas as actividades exigem que manobras de corpo extremamente difíceis sejam realizadas de uma maneira graciosa. Esta analogia ilumina um novo aspecto no bouldering: o escalador de bloco está preocupado tanto com a forma como com o sucesso e não vai sentir que realmente domina um problema até que o consiga fazer graciosamente. Embora o espírito de competição no bouldering se torne intenso, isso dificilmente deverá ser lamentado. É muito melhor libertar a pressão agressiva numa situação relativamente segura do que permitir a sua erupção indisciplinada numa ascensão mais longa e difícil. A competição é decididamente uma característica da escalada em rocha contemporânea, como quase todos os observadores sofisticados o podem admitir. No entanto, no bloco, sportsman-like competition2 desempenha um papel válido e apropriado, especialmente ao forçar o praticante a superar bloqueios psicológicos que impedem o avanço da sua técnica.

Técnicas e forças especificas são cultivadas para ajudar o ginasta a dominar movimentos, ou sequências, difíceis. O escalador de bloco, também, pode realizar exercícios especiais que lhe permitirão resolver certas classes de problemas de escalada. Exercícios básicos do tronco superior incluem a prancha, a elevação com um braço, slow muscle-up3, e one-arm mantle-press4. Alguns exercícios adicionais desejáveis ​​são o cross-mount5 nas argolas e a elevação com um braço em prancha. As ligações físicas mais fracas entre o escalador e a rocha, os dedos, devem ser reforçadas, tanto quanto possível, talvez com maior ênfase na força pura e power do que na endurance. O escalador de bloco dedicado irá cultivar elevações de braços com pega apertada, em vigas de diversas larguras, elevações com um braço em ombreiras de portas e elevações com um braço com um dedo numa barra.

A capacidade de executar todos estes exercícios não é absolutamente essencial para o bouldering . No entanto, muitas vezes, a exibição de tais habilidades adiciona um certo polimento ou finess à nossa escalada e a maioria dos problemas de bloco realmente excruciantes geralmente requerem certa força especial desta natureza. Pernas e pés fortes são necessários para problemas de equilíbrio, mas estes não são raros em escaladores.

Podemos injectar uma palavra de cautela relativamente à massa e qualidade muscular. Deve ser alcançado um compromisso entre força e massa, porque uma preponderância da última raramente vai prestar um bom serviço a um escalador. É eminentemente desejável um elevado rácio Força/Peso e os exercícios mencionados vão ajudar a cultivar essa qualidade, ao passo que um treino de pesos planeado de forma pouco inteligente pode na realidade ser prejudicial.

Embora este género de “forças” sejam necessárias para o bloco de dificuldade, não são suficientes por elas próprias para assegurar o sucesso. O bloco requer o refinamento derradeiro das técnicas de quinta classe, mas difere da escalada em rocha clássica não só nas forças essenciais, mas também nas técnicas especiais. O lunge6, considerado por muitos montanhistas tradicionais como uma mutação execrável da boa técnica, pode ser empregado com segurança pelo escalador de bloco. Uma vez que as presas de bloco são raramente puxadores, a necessidade de um “aperto” realmente poderoso é aparente. Semelhante ao lunge, mas muito mais elegante e controlado é o movimento melhor descrito como “ dynamik layback7. O nome descreve o próprio movimento: Um movimento de oscilação caracterizado pela capacidade de voltar ao ponto inicial a uma velocidade ligeiramente menor do que a queda livre. Isto é diferente de um indisciplinado lançamento, que não tem de maneira nenhuma tal qualidade redentora. Um dynamic layback executado de forma apropriada coloca a mão do escalador no “ponto morto” alto de uma oscilação. Novamente, como com o lunge, uma grande força de dedos é necessária para tirar vantagem da altura adquirida pelo balanço. Por causa do controle exercido durante o movimento, muitos mais problemas podem ser resolvidos com sucesso do que com um salto simples ou lunge. Obviamente, quanto mais momento8 um escalador poder exercer com os músculos de seu torso superior, mais controle ele pode exibir durante a oscilação. Os exercícios descritos anteriormente ajudarão a este respeito.

Embora as distinções entre a escalada em rocha clássica e o bouldering são relativamente menores e por causa da existência óbvia de uma real competitividade no bouldering, somos levados a levantar a seguinte questão: é um sistema de classificação possível? A resposta é: provavelmente sim. Um tal sistema pode ser o seguinte: B-1 que se compara à dificuldade F 10, B-2 para dificuldades acima de F 10, e B-3 que é a dificuldade máxima. Uma via de B-3 deve ser uma via que muito raramente é repetida, embora frequentemente tentada sem sucesso. A sua dificuldade deve ser contínua. Um movimento único, por mais impressionante que seja, não deve constituir o problema inteiro. Outro sistema muito mais objectivo utiliza o conceito de eliminação. Obviamente, uma série de especialistas em bloco devem ter trabalhado no problema que está para ser classificado. E-1 indica uma escalada tão difícil que só foi feita por um único indivíduo, o E-2 por dois, etc. Talvez este sistema deva ser descartado após a E-10. Envergadura e compactidade corporal podem fazer o sistema B absurdo para problemas ocasionais e escaladores de diferentes forças e habilidades irão sempre disputar as graduações. O sistema do E não seria sobrecarregado por disputas, uma vez que enfatiza as realizações de alguns escaladores e não as dificuldades inerentes da rocha.

A maioria das áreas de escalada em rocha mais populares dos Estados Unidos têm nas proximidades bouldering gardens9 e, em alguns casos, as duas actividades fundem-se em interessantes e árduos divertissements10 quer sob a forma de vias curtas feitas a abrir ou problemas de top- rope. Além disso, há muitos jardinsisolados agradáveis ​​ no Centro-Oeste e Sul, que têm visto apenas ocasionais incursões de bouldering. Com demasiada frequência, em relação à dificuldade, o escalador casual visitante irá aplicar atitudes clássicas de escalada em rocha. Tenta apenas os problemas extremos, que exigem uma técnica tradicional e um ligeiro dispêndio de tempo.

Embora tal disposição possa ser perfeitamente razoável nas montanhas ou em grandes paredes onde existem perigos objectivos adicionais, em bouldering gardens uma atitude mais atlética pode, e deve, ser adoptada de forma segura. Escalada em rocha de pequena dimensão torna-se muito mais significativa quando os padrões de bloco são aplicados. Desta forma, áreas de prática, que seriam naturalmente obscuras, tornam-se importantes para o desporto.

(1)   O Yosemite Decimal System originalmente é dividido em 6 classes técnicas de dificuldade onde a classe 5 seria escalada em rocha vertical, onde seria necessário usar corda. Cada classe seria dividida no sistema decimal e o máximo na altura seria 5.10 ou F10 (pois…os pés de gato…) ou seja à volta de 6a.

 (2)   Aqui deixei no original, mas o sentido é de “cavalheiresco”, ou seja um comportamento “nobre” como desportista, onde não interessa ganhar ou perder, mas sim o desenvolvimento pessoal, um elevado sentido ético e generosidade para com os outros ao contribuir para o seu desenvolvimento pessoal também, etc, enfim… todo um programa e caminho que definitivamente não é o main stream dos nosso dias.

 (3)   Elevação lenta e completa na barra, isto é os braços acabam esticados com as mãos, e a barra, ao nível da cintura.

 (4)   Isto será um movimento de mantle executado com uma mão unicamente.

 (5)   Para melhor compreender este movimento nas argolas nada melhor que o site do próprio JGill….

 (6)   O mais aproximado à actualidade seria movimento dinâmico, ou então lançamento, (movimento em que os pés deixam de ter contacto com a rocha) mas no contexto da época poderia ser movimento súbito ou rápido por contraste com um movimento controlado e mais estático.

 (7)   Embora a tradução literal seria movimento de dulfer dinâmico, pela descrição e pela prática, estamos na presença do “nascimento” do conceito daquilo que é hoje conhecido como “deadpoint”, técnica, de facto, amplamente utilizada no bloco.

 (8)   JGill usa leverage, mas penso que o conceito correcto em português será momento ou seja força vezes uma distância, que é um conceito obviamente aplicado à dinâmica do movimento articular.

 (9)   Termo ligado às artes performativas de palco dos séc. 17 e 18, “um ligeiro divertimento.”

(10) A tradução óbvia de Jardim de Bloco ou de bouldering, embora se perceba o significado, que seria o de Parque de Bloco, como parque Infantil, não tem significado prático na realidade portuguesa de escalada por isso optei por deixar no original.

 

Introdução e tradução: Sérgio Martins

Ilustração: Vitor Baptista

 

 

 

 


Quarta-Feira Fotos. Fissura da Granja II.

Março 26, 2014
Bruno Cochofel na Fissura da Granja, Serra da Freita. Foto Sérgio Martins.

Bruno Cochofel na Fissura da Granja, Serra da Freita. Foto Sérgio Martins.

 

 


Quarta-Feira Fotos. Filosofia Anormal.

Março 12, 2014
Quarta-Feira Fotos. Filosofia Anormal.

Sérgio Martins em Filosofia Anormal, Serra da Freita. Foto. Vitor Baptista.


Quarta-Feira Fotos. Fissura da Granja.

Fevereiro 26, 2014
Quarta-Feira Fotos. Fissura da Granja

Raquel Carvalho na Fissura da Granja, Serra da Freita. Foto Sérgio Martins.


Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.