7 dias, 7 fotos, Albarracín IV, Techo Don Pepo.

Novembro 23, 2012

Rui “Sotnas”, com a sua raça habitual, desafia a gravidade para encadear o ultra clássico Techo Don Pepo, sector Cabrerizo.

Não é por acaso que os nossos ancestrais, que por cá andavam há uns milhares de anos, decidiram fazer deste local o seu condomínio fechado. Este é o reino dos tectos. Aqui há-os para todos os gostos. Altos, baixos, proas, largos, com buracos, com bidedos, com dobragens em régletes ou mais em áplates, de envergadura ou mais mitrados. Venha o freguês e escolha. Mas desenganem-se os mais incautos, pois tecto feito, não é sinónimo de problema encadeado. Há que ir preparado para lutar nas saídas. Sim, porque os mantles podem ser o busílis da questão. Não é raro a dureza estar na saída. Mas há mais: blocos de compressão, highballs de fazerem engolir em seco, pranchas, travessias “régleteiras” e os tão famigerados drop off. PR


7 Dias, 7 Fotos. Albarracín III, La Cena de Los Idiotas.

Novembro 22, 2012

Em tempo de crise, Nunito Santos poupa passos e deslinda um método mais económico para La cena de los idiotas, sector Peninsula, usando um lançamento “maquinal”.

No que toca à escalada propriamente dita, e deixando os floreados de parte, Albarracín pauta-se por uma quantidade de blocos impressionante e, muito possivelmente, com poucos rivais a ombrear na Europa. Esta é a primeira impressão que se tem. Logo, somos inundados pela quantidade de tectos que existe, com presas de diversos feitios, que nem no rocódromo mais equipado encontramos. Ou seja, a sensação que se está num verdadeiro recreio para escaladores. Junte-se a isto o facto de estarmos na presença de uma arenisca de tacto muito suave, onde podemos batalhar à morte sem gastar a tão preciosa pele, e temos os ingredientes necessários para uma boa barrigada de problemas. Ah!… tempere-se com um grupo de bons amigos e sirva-se com umas cervejas bem geladas. PR


7 Dias, 7 Fotos. Albarracín II, Repersutra / Ultimo Estertor.

Novembro 21, 2012

Nuno “Magno” comprime o Repersutra / Ultimo Estertor, sector Arrastradero… até esfarelar.

O primeiro impacto quando se chega a Albarracin é o de sermos confrontados com um dos mais belos “pueblos” de Espanha. Quem liga a estas coisas sabe que as cidades muralhadas têm o dom de nos surpreender, mas nesta há algo de especial, algo que lhe confere uma mística muito própria. Será a envolvente bem preservada, o excelente estado das muralhas, fortificações e igrejas, ou será a rusticidade dos edifícios que, a cada esquina, emana dos inúmeros brasões, das paredes toscas, das pesadas portas de madeira e das figuras dos batentes em ferro forjado. É difícil dizer. Certo é que, deambulando pelas ruas, podemos imaginar a vida fervilhante de outrora ou os combates entre Sarracenos e Cruzados que ali tiveram lugar. PR


7 Dias, 7 Fotos. Albarracín I, Mentle Mantle.

Novembro 20, 2012

 

Diogo Lapa, cada vez mais plástico, molda-se à rocha para encadear o Mentle Mantle, no sector Arrastradero.

 

Albarracín, para que nenhum escalador fique sem tecto.

Albarracín é um daqueles destinos que separa, muito grosseiramente, os escaladores lusos em dois grupos: aqueles que são quase locais (ou foram) e os que nunca lá puseram os pés. Pelo menos, das conversas informais, essa é a sensação com que se fica. De uma mescla destes dois grupos, juntou-se, no início deste mês, uma trupe de bons amigos, com o intuito, para uns, de colmatar a lacuna no cardápio de locais a visitar e, para outros, de servir de cicerone num parque de diversão para escaladores. E diga-se de passagem que a caravana lusa era bastante eclética no que respeita às origens geográficas, como aliás já vem sendo apanágio nestas últimas incursões. PR


Albarracín, (Des)apertar À Morte. Trailer

Novembro 16, 2012