NBplayers. Bart van Raaij, o Coleccionador De Blocos.

Julho 4, 2014

 

Bart van Raaij, 44 anos, Holandês, mais propriamente de Roterdão, pai de família, designer gráfico especializado em tipografia. É também um ávido e forte escalador de bloco, fundamentalmente conhecido pelos seus famosos guias de Fontainebleau, “7+8”e agora também o “5+6”, em dois volumes, autênticas bíblias da floresta, onde impera o detalhe, a precisão e um design sóbrio, equilibrado e moderno. Passou recentemente por Portugal, mais propriamente por Santo Tirso e Corno de Bico. Aproveitámos a ocasião para lhe fazer algumas perguntas sobre as suas impressõesacerca do Bloco em geral, mas também sobre o nosso terreno de jogo favorito.

Nota: Resolvemos deixar a entrevista tal qual foi originalmente feita, em Inglês, idioma natural entre os dois interlocutores. SM

Bart van Raaij, 44 years old, Dutch, more precisely from Rotterdam, family father, graphic designer specialized in tipography. He is also an avid and strong climber, mainly known for his famous Fontainebleau climbing guidebooks, “7+8” and the more recent “5+6”, edited in 2 volumes, which are true forest bibles, where there was paid lots of attention to detail, precision and sober, balanced and modern design. He recently came to Portugal,more specifically to Santo Tirso and Corno do Bico. We took the opportunity to make him a few questions and hear some of his thoughts about Bouldering in general, but also about our favourite playground.

NB: We decided to publish this interview as it was made, in English, since this is the natural language between the 2 interlucotors.

 

Bart, this was, I think , your second visit to Portugal , to do Bouldering . What areas did you visit and what impression did you get from them?

Yes, this spring I visited Portugal for the second time in my life. Both with my family and the same friends. The first time we went to Pedra do Urso (2009) and this year to Santo Tirso and Corno de Bico. On trips like this we combine holidays with our children and some bouldering. I like to visit different countries and get to know them a little more. The bouldering in Portugal is not very well know and we always have a hard time finding information and a topo.

 

What area you liked the most?

A hard question. The landscape in Pedra do Urso is weird and wild. We saw so much potential and we knew so little. We just climbed beside the road with very little information. So it was very good but a bit disappointing too. We didn’t meet any other climbers that trip. But we had a great time and enjoyed the area very much. The rock was very sharp and we hoped to discover less sharp rock in the northern areas. Santo Tirso is a very friendly place. Great for the children; water to play with and low boulders to climb on. We found only one sector and climbed only two days. Again we didn’t meet any other climber. We were happy with the less sharp rock. Corno de Bico was shown to us by you. The landscape is beautiful over there. We saw a lot of boulders and tried only a few. Again a great place but with very shap rock. You need to be very motivated to try hard in Corno de Bico. So, if I return to Portugal I would choose Santo Tirso to visit again because I left some unfinished business… But I think Pedra do Urso and Corno de Bico are better areas. I will only go back there with a guidebook or with a local.

 

What were the main differences you found between the Bouldering in Portugal and in the areas that you frequent regularly?

The area were I climb the most is Fontainebleau. The main difference is the information to be found. I own 30 Font guidebooks and I have written three of them. So I always know were to go and what to try. Another difference is the sharpness of the rock. In Font I can climb for four days without splitting a finger. In Santo Tirso I split a finger the first climbing day and I have very good skin…

 

During your passage through our country, you ended up repeating some reference problems.What do you think about their grades, comparing them towhat can be found on other places in Europe?

I don’t know which are the Portuguese reference problems but in general the grades are a little friendlier in other areas than in Font. Because there is no guidebook I didn’t know the exact grades of the problems I have done. In Pedra do Urso I did Mantorras Reloaded which I thought was graded 8a at the time I climbed it. I think 7c+ is the correct grade and I recently discovered this grade on NorteBouldering. Rosa Negra is a very good problem and when I climbed it in 2009 I saw it was graded 7b+. Compared to most European areas this is correct but my personal grade would be 7b. In Santo Tirso I repeated Descola Estático 7c. I could do it very quick and with my arm span it could be 7b+ too. I did all the moves of the sit start but I could not finish it with my split finger and high temperatures. It did not feel like 8a+ but I need to do it first to have the right to say something about the grade.

 

In general terms, what do you think about grades and rating systems, especially on  Bouldering, where there are, on one hand, many constraints that make it extremely subjective, and on the other hand there is a media pressure, coupled with a growing professionalization of the sport, which require anextremely objective and precise grading system ?

I like grading! I think it is fun to discuss grades and for me it is an important part of the sport. As a guidebook writer I like to be as precise as possible when I grade problems. But a grade is always an indication. It can feel different for other people. It is logical that some people think a 7c problem is 7b+ and others think it is 7c+. But talking about grades is only fun if everybody is honest and without pride. It doesn’t matter to me if a problem is 7b+ or 7c, as long as the grade is as precise as possible. I downgrade a lot. Not to show how ‘easy’ a problem is for me (or to show how ‘strong’ I am) but to be as honest as possible about how hard it really felt to me. I also upgrade problems. Some classics in Font are extremely hard and there are people blaming me for upgrading classics as l’Abattoir, Marie Rose and Angle Parfait. I don’t feel any media pressure and I think professional climbers shouldn’t either. If a boulder is just opened it’s obvious that the grade might change after some repeats. If every repeater says what he really thinks, the correct grade of a problem appears automatically.

 

In 2002 you created the Fontainebleau guidebook  7+8 . This is, in my opinion, one of the best guidebooks ever produced, either in terms of information accuracy, as well as in terms of design. What was at the genesis of this project?

Thank you! Well, in the nineties I had completed a list with all the straight ups graded 7a and harder in Fontainebleau. Just because I was interested. This was just a long list with problem names, grades and some other information, almost the same as the right pages of my 7+8 guidebook. To carry it around I had made a small book of this list, just one copy. Made by hand. People started asking me for a copy. One person asked me if he could publish my information on internet and this is how the website bleau.info started. In 1998 I decided to try to make a real guidebook. I am a graphic designer, so I know how to make books, I like photography, I like to draw maps and I love to climb. So why not? Four years later I had drawn topo’s of all the areas and brought my book to the printer. It was very expensive but in three years I had sold all my copies and people kept asking for more…

 

Now we have a second edition of 7+8 and  5+6 recently.What led to the emergence of these new guidebooks?

The third edition of 7+8 already! Well, the first edition was sold out after three years I had been updating my book all those years so I decided to publish a second edition in 2007. And again, all my books were sold within three years and the shops kept asking for more… And then the crisis came. My graphic design studio wasn’t doing very well and I didn’t make much money with my 7+8 books. I decided to make a 5+6. For commercial reasons, but also because I like the work combined with climbing in the forest. I published 5+6 in 2012 and the third 7+8 in 2013.

 

When the second edition of 5+6 is complete how many problems will be described in both 5+6 and 7+8  books?  Does it make sense to think about a global guide for Fontainebleau, or it would be a monstrous task?

The next 5+6 will list more than 3000 problems. I hope to publish this book with Buthiers, TroisPignons and the northern areas at the end of this year. Together with 7+8 and the other 5+6 there will be about 10 000 straight ups in my books. I don’t know if I will ever find the time and the motivation to describe the 1+2 and 3+4 problems too. But I have said this about 5+6 for years, so who knows… But honestly, I don’t think so. A total guide for Fontainebleau will be almost impossible to make. To the north-west of the areas which I describe the are many more areas… There is a German book whith all the areas but this book doesn’t describe all areas in detail.

 

In the Netherlands there is an exclusive magazine aboutBouldering, on which you are involved.At what point is this project now?

For five years a friend and I were the owners and editors of the magazine BLOK. A rock climbing magazine. Sport and boulder. Four issues a year. It was great but last year we decided to stop. We just couldn’t make enough money with a magazine like this in such a small country.

 

In the U.S. there was also an attempt to create a Bouldering magazine with Vbouldering , which did not work. Do you think the sport has not grown enough to have an exclusive publication?

I think publishing magazines is hard these days. My partner for BLOK works at Reed Business, a large publisher, and they also have a hard time publishing magazines. Sending our publications to our subscribers was so expensive. People are used to read information for free on the internet these days…

Finally, what sectors  you recommend for a quick visit to Fontainebleau ?

This depends on the weather, your climbing level and how busy it is in the forest. I love all sectors but not at all times. If you like to meet people, go to Bas Cuvier, Apremont, Isatis, Éléphant, Cul de Chien or Sabots. These areas are crowded and for a reason; lots of good problems, all grades, circuits with colored arrows, nice landings and close to the car parks. If you like all this but are looking for a little more quiet place, try Rocher Canon, Cuisinière, Petit Bois, Buthiers, RocherGuichot, Potala, Canche aux Merciers and Bois Rond. If you like it even more quiet and don’t care about circuits or a longer walk in, try Gorges du Houx, Mont Aigu, Rocherd’Avon, Rocher des Demoiselles, Restant du Long Rocher, RocherGréau, Rocher Fin or Roche aux Oiseaux. All these areas have a lot of good problems.

If you want something very special, try the three different areas of Cassepot, walk along the ridge of Marion les Roches, explore la Padôle (don’t forget the western part) or try one of the very quiet areas in Beauvais.

 

And … if you had to choose a problem in Fontainebleau , what would it be?

Just one? Amok. The most finger friendly 8a in the world.Technical, powerful, dynamic, precise, good looking, pure, short and in a quiet setting.A true bold star in my guidebook.

 


Jogadores NB. A Força Tranquila. Uma Entrevista com José Abreu. Parte 2.

Maio 18, 2012

 

Três países diferentes, experiências muito diferentes e completas no mundo da escalada… para além do pequeno paraíso que perspectivavas mais é que te deu olhar para isto “de fora”? Por onde começavas a mudar as coisas, se pudesses, ou deixavas tudo como está, isto é, um pequeno canto pouco massificado mas com pequenos paraísos para os “conhecedores esclarecidos”.

Não mudava nada ou muito pouco, temos a nossa identidade e as coisas vão-se fazendo à medida que vão aparecendo as pessoas.

Muito bem, e por falar em pequenos paraísos, é notória a tua predilecção por Corno de Bico, o que é que aquilo tem de especial para ti?

Corno de Bico impressiona sobretudo pela relação qualidade/blocos duros, dá-se duas voltas e encontra-se um oitavo de qualidade. Acima de tudo foi sem duvida uma revolução, surgiu numa época em que os projectos escasseavam ao Júlio, e ele teve a intuição para descobrir esse paraíso.

Sim, o timing com que ele descobriu Corno de Bico foi incrível, intuição é algo que não se vê muito associado ao Júlio, mas o seu  “faro” para encontrar bloco duros é lendário. Essa intuição ganha-se ou achas que é inata da pessoa, até que pontos os factores inatos são importantes ou és da opinião que o escalador se pode fazer a ele próprio?

Nesse caso em particular aliado à intuição natural ele via blocos que mais ninguém via, derivado ao seu nível. As aptidões com que nascemos são importantes mas tudo se pode trabalhar, podes não ser o melhor do mundo mas consegues fazer as tuas coisas com alguma dedicação, por outro lado uma pessoa que nasce com todas as aptidões não quer dizer que as rentabilize ao máximo.

A figura do Júlio é incontornável quando se fala de Bloco, qual foi a sua influência para ti?

Ensinou-me o que é o bloco a “sério”, paciência, perseverança e metodologia para trabalhar um verdadeiro projecto, alem do verdadeiro espírito de sacrifício no treino, para além de carregar aos ombros durante muitos anos com a evolução pois fez as primeiras ascensões nacionais de V10 a V14, quando nem imaginávamos o que era um “double-digit”.

É verdade. De rajada, 3 blocos de Corno de Bico que vão ficar para a posteridade?

Tobogã, Dragão azul e o Enigma a Máquina.

Estiveste há pouco tempo em Fontainebleau. Quais as diferenças que denotas desde a última viagem e até que ponto é que a tua experiência e maturidade no bloco mudou?

A primeira vez que lá estive foi à 8 anos, se não estou em erro, nessa altura não tinha qualquer noção do que era o bloco e de como trabalhar um bloco, atirava-me a tudo como se estivesse no muro e tivesse resistência infinita. Desta vez conseguia analisar os blocos antes de os ensaiar, repousava como deve ser e tinha bastante mais paciência.

 Pois… é a maturidade a chegar…

Também…

De um ponto de vista individual, o que é que descobriste de diferente que te permitiu evoluir ou seguir outro caminho na tua trajectória de escalador, especialmente em França onde as coisas estão bem mais avançadas por exemplo ao nível do treino de escalada?

Treinar com escaladores que fazem habitualmente o circuito Mundial e que têm um nível bastantes superior ao meu, permitiu-me ver os objectivos mais atingíveis, em termos de métodos não varia assim tanto, é muito trabalho e muitas horas de treino por detrás. No que noto diferença é no facto de ter um bom muro de corda que é uma experiência nova e interessante.

Já sabemos que muros de corda gigantes não existem por aqui, de bloco vai existindo qualquer coisa, o que falta mais para escaladores nacionais começarem a dar cartas nas comp’s internacionais, é tudo uma questão de nível?

Sobretudo nível e um pouco de experiência.

 Elabora o que é nível para ti?

No caso das competições de bloco, nível de forca física, em termos técnicos não existe assim tanta diferença.

Isso da força física espanta um pouco, dá-me um exemplo prático?

Capacidade para aguentar uma presa pequena acima do ombro, nas compressões ter força corporal para aguentar com o corpo estático. Em competição fica sempre a duvida se utilizas o método correcto, mas no muro onde costumo treinar realizou-se há pouco tempo uma prova do circuito Francês de Bloco, deixaram alguns blocos da eliminatória em formato contest e nos blocos duros as presas ficavam simplesmente longe demais…

Já te vi com um livrinho da Desnivel, salvo erro o planificação do treino do David Maciá,  bem amarrotado e gasto…e sei que gostas de treinar duro e planificado…até que ponto a planificação é fundamental, para competição e também para rocha?

Sim, sim é mesmo esse o livro. Os resultados do treino planificado são inequívocos para melhorar as tuas performances, para competição se queres levar a coisa de uma forma minimamente séria, é mesmo essencial. Para escalar em rocha, e se tens somente o fim-de-semana, tens de por numa balança, de um lado passares um bom bocado com os amigos a fazer uns blocos ou estar concentrado e agarrado a um cronómetro depois de um dia de trabalho.

Pode haver sempre um equilíbrio, não?

Sim, pode-se fazer um período planificado que coincida com períodos que não se pode escalar tanto em rocha e depois treinar somente para manutenção mais relaxado.

Muito bem Sr. treinador, e qual poderá ser o caminho para um escalador jovem português que aspire a participar de forma competitiva nos circuitos internacionais? Sem ser emigrar.

Primeiro, obviamente motivação para tal, depois estar na disposição de passar bastantes horas a treinar, e por fim meios monetário para poder fazer pelo menos as provas Europeias.

Não és estranho ao trabalho pesado, sempre equipaste, escovaste blocos, muitas vezes de moto serra e marreta às costas, e na Maia tens muito trabalho pesado na montagem do Muro. Esse carregar com as coisas às costas, muitas vezes sozinho, é devido a estares na linha da frente e sentires que se não puxares a carruagem mais ninguém puxa ou também é importante dar aos outros, especialmente num desporto egoísta como a escalada?

Apesar de ser um desporto individual, não considero que seja um desporto egoísta. Não podes estar a espera que as coisas se façam sozinhas, as vezes é preciso ter espírito de iniciativa, se podes deixar algo que possa ser aproveitado, como o equipamento de vias por exemplo, mais gratificante se torna.

Quando te voltamos a ver por aqui?

De visita para a competição da Maia.

Então…Até já…

Uma entrevista por Sérgio Martins. Fotos: Parte 1: Oldemiro Lima.  Parte 2: La Bombe Humaine assis, Bois Rond, Fontainebleau, Foto: Romana Braga.


Jogadores NB. A Força Tranquila. Uma Entrevista com José Abreu.

Maio 17, 2012


O Zé não precisa de apresentações, se nas vias desportivas marcou a escalada nacional principalmente com o encadeamento da via Acção-Reacção, primeiro 8c em 2006, no universo das competições tem vitórias em todo o género de competições nacionais e inúmeras presenças internacionais, onde obteve até à data o melhor resultado de um escalador português. Mas, é nos blocos que o gostamos de o ver, e aí a sua presença no universo NorteBouldering é quase omnipresente desde o início, quando subia a pé para a Srª da Assunção com uma almofada de sofá às costas, até à actualidade com repetições e flash’s de peso em Corno de Bico e aberturas significativas no Covão Cimeiro, por exemplo.

Neste últimos anos sentimos-lhe a falta e quisemos saber o que era feito dele:

 Que é feito de ti, José?

Ando por Lyon, França.

Emigraste?

Não, estou a acabar um mestrado na área da Engenharia Mecânica.

Há quanto tempo estás fora de Portugal e qual é que tem sido o teu percurso nesse período?

No inicio de 2009 fiz um estagio no sul do Brasil. Depois, após uma pequena passagem por Portugal, no inicio de 2010, parti para Barcelona para trabalhar num centro de investigação e por fim, em Setembro do ano passado mudei-me para Lyon.

Sentes-te parte da nova diáspora? Ou é tudo obra do acaso?

As coisas foram correndo e os timings foram batendo certo.

A pergunta ia no sentido se achavas que Portugal era curto de oportunidades, ou demasiado pequeno, tendo em conta que as coisas se agravaram muitíssimo desde então?

Não foi uma questão de falta de oportunidades, mas uma vontade de adquirir conhecimento de outros métodos e outras culturas, ou derivado de um velho hábito de querer fazer as coisas sempre da maneira mais difícil.

Achas que é um defeito/virtude dos escaladores procurarem sempre o mais difícil?

Na maior parte das vezes pode ser uma virtude mas em alguns casos pode ser um grande defeito.

Nesse sentido, até que ponto achas que a escalada te moldou como pessoa?

É uma pergunta complicada, comecei a escalar com treze anos e passei a minha adolescência a escalar de um lado para o outro, é óbvio que isso marca a tua personalidade, mas sobretudo a parte da competição é transversal a todos os desportos e nesse aspecto marca bastante, pois os resultados estão directamente ligados ao que se trabalhou antes, se se aprende essa lição já valeu a pena o esforço.

Até que ponto a competição foi e é importante para ti?

Eu comecei a escalar num rocódromo  e até perceber como funcionava a dinâmica de escalar em rocha só a competição fazia sentido. Acaba por ser uma boa motivação para treinar e aproveitar a boa forma para realizar objectivos em rocha.

Voltando um pouco atrás, Brasil, Barcelona, Lyon, até que ponto a escalada influenciou na escolha destes destinos, se é que influenciou?

Brasil foi totalmente ao acaso, fui aceite num programa em que podia ter sido colocado em qualquer país do mundo, acabei por ir para o estado de Santa Catarina e no primeiro fim-de-semana já estava a escalar com os locais. Coincidiu também com a descoberta de uma das melhores falésias do Brasil que se chama Corupà, que ficava a 100 km de minha casa, e onde ainda tive oportunidade de equipar um par de vias.

Barcelona foi uma escolha pessoal já mais a pensar na escalada, e Lyon foi obra do destino mas que me esta a dar uma outra, e diferente, abordagem à escalada.

O que encontraste de diferente e o que mais te marcou, e marca nesses países, centrando-nos no mundo da escalada?

O Brasil, e falando do Sul onde vivi, está mais avançado do que imaginava. Em Curitiba por exemplo existe uma comunidade de escaladores bastante fortes e dinâmicos e têm dois ou três rocódromos grandes, ou mesmo mais a Sul, em Caxias do Sul, existe uma falésia com vias de alta dificuldade. Neste momento o único entrave é o preço do material para equipar. No Brazil acho que aprendi a dar valor às realizações dos locais, com as condições que têm o nível onde chegam é bastante meritório.

Barcelona propriamente dito não tem nada tirando Montserrat a 50Km, mas depois num raio de 300km tem tudo. São necessárias várias vidas só para fazer as vias de qualidade, aliando isso à dificuldade, é um verdadeiro paraíso.

Em Lyon descobri um lado da escalada que nunca tinha pensado viver, que é a escalada em grandes muros interiores. Vivo a dez minutos do maior muro de escalada indoor de França, dirigido por um ex-campeão do mundo e com bastante gente com um nível superior ao meu a treinar, tem dado para aprender bastante. Em rocha tenho tido contacto com uma coisa que damos pouco valor em Portugal que são os talhados ou no nosso caso a ausência deles, principalmente nas escolas mais antigas, onde há talhados do 6a ao 8a, em conjunto com o uso excessivo. Muitas vezes penso que também vivemos num pequeno paraíso onde podemos desfrutar de vias novas e naturais.

Em certa medida o nosso atraso protegeu-nos dessa “tendência”, mas… não estarás a confundir paraíso com saudades de casa?

Se calhar não foi atraso mas futurismo. Como em muitos outras coisas na vida só nos damos conta do que temos quando a vemos de outra perspectiva, mas já me tinha dado conta no Verão passado ao refazer umas vias no Sicó que já não fazia há muito tempo, e me dei conta que são vias bem especiais.

Diz assim de rajada 3 dessas vias especiais?

Passagem de Testemunho, Circus e Bob o Equipador.

 

Amanhã publicamos a segunda parte, o verdadeiro  paraíso, viagens recentes, os treinos, etc…


Jogadores NB. Girl Power, Uma Entrevista Com Sara Melancia.

Agosto 18, 2011

Super Licença (V8), Covão Cimeiro, Serra da Estrela. Foto: Pedro Rodrigues


Uma garra incomum, uma técnica muito afinada, ou já refinada se quiserem, para a idade, coragem e dedos de aço, formam um conjunto de atributos que conjugados com uma forte motivação para a escalada em rocha, neste caso granito, geralmente nos dizem estarmos em presença de um escalador “sério”de bloco. Só que neste caso é uma escaladora. O que constitui uma raridade, quase singular, no sempre árido panorama português da escalada. A viver na Covilhã, Sara Melancia, faz, naturalmente, da Serra da Estrela o “quintal lá de casa”. E foi aí precisamente onde acabou de encadear o seu bloco mais duro até ao momento. A esse propósito fez o obséquio de responder a umas perguntinhas para inaugurarmos uma espécie de secção de entrevistas: NBPlayers ou seja Jogadores NB.

Acabas de encadear o teu primeiro V8, e que V8, conta-nos um pouco sobre esse bloco?

Fiz o Cântaro Magnificado (Covão Cimeiro). Um bloco que me deu muita alegria em fazer, porque não desisti dele, senti que seria difícil para mim mas continuei a tentar e tentar. Um bloco mesmo bom! Do princípio ao fim!

Mas…como é o bloco especificamente?

O bloco tem todo o tipo de pressas, varia o que é bom. O inicio (começo sentado) penso que é o mais duro! A presa para começar não é das melhores (um áplate lateral muito fugidio), mas depois percebi como tinha de por o corpo e ficou um pouco mais fácil. Quando consegui fazer o inicio o resto também ficou tudo feito.

Saíste por cima, então.

Foi uma alegria, AhAh. Sim, por cima. Penso que o bloco fica óptimo com aquela saída. Os movimentos de saída são incríveis. Mexer bem os pés e ser rápida, foi a chave!

Apesar de fácil, acaba por ser um highball, gostas desse género de blocos, não te metem medo?

Medo?! Não serve de muito ter medo. Eu quero é desfrutar do que estou a fazer, mas confesso que há blocos que acabam por me intimidar devido ao factor altura. É uma questão de ligar o “chip” e de perceber se quero realmente aquele bloco! Acaba por ser desafiante, por isso gosto de highball.

Acabaste por fazer uma FA, o que é uma coisa raríssima em Portugal, para uma rapariga entenda-se, Interessam-te as FA’s?

Uhm…. Confesso que fazer FA’s não é o que me dá mais prazer. Mas sinto-me bem por ter feito.

Gostas mais do desafio das repetições? É isso?

Quando vou a um bloco não dou muita importância ao número de repetições que ele tenha ou se é um FA, simplesmente olho para ele e se me chamar a atenção tento faze-lo! Com ganas!

Tens noção que foste, provavelmente, a primeira mulher, digamos rapariga, a atingir este patamar de dificuldade em Portugal?

Ahah, Sim já me chegou essa informação ao ouvido! Tenho o bichinho do orgulho presente, mas também não dou grande importância ao ter sido a primeira. Provavelmente fui eu a primeira  porque sou a que me dedico mais ao bloco, penso que as outras escaladoras alinham mais em dificuldade (desportiva).

O que te parece o contexto da escalada de bloco em Portugal?

Eu estou no mundo do bloco há pouco tempo, a meu ver, mas já percebi que o bloco é algo desafiante para todos os escaladores portugueses e cada vez mais estão a aderir a esta vertente, falo também de escaladores de idades mais jovens. Fico contente por assim ser, pois ficamos mais completos.

Pois…há pouco tempo …. que idade tens? E, já agora,  quando começaste a escalar?

Tenho 18 anos feitos à pouco tempo. As minhas aventuras de escalada começaram em 2007 se não estou em erro…

Hum…começaste na corda, suponho, e no plástico provavelmente?

Sim. A primeira vez que escalei foi no pavilhão S.Miguel na Guarda. Tem uma boa parede de dificuldade e ainda hoje a escalada lá faz parte do Desporto Escolar.

Portanto, primeiro Guarda, agora Covilhã, estamos perante uma Beirã de gema?

Não sou beirã de gema, mas assim me considero.

Falemos agora de competições: Corda ou só bloco? E que importância têm para ti?

Gosto e sempre gostei de ir as competições, tanto de bloco como de corda, apesar de gostar mais das competições de bloco. Foi nas competições que os meus horizontes de escalada alargaram. Ver a garra e motivação dos seniores, o convívio entre todos, a boa disposição! Muito bom… e dá sempre para aprender mais um pouco.

Quais foram os teus melhores resultados até à data?

Os melhores resultados foram os primeiros lugares que consegui, mas o que mais me orgulho foi um 3º lugar, pois foi a primeira vez que subi ao pódio. Foi numa prova de Soure e essa mesma deixou-me motivadíssima!

Primeiros lugares, sempre nos escalões juniores, não? Já competiste nos seniores?

Nos escalões de iniciada e juvenil. Só competi como sénior em duas provas e fiquei em ambas em segundo lugar.

Como vez o panorama competitivo por cá?

Penso que antes o pessoal se sentia muito mais motivado para ir as competições, agora são poucos os escaladores que as frequentam… já estive em competições em que nem devíamos chegar aos 20 escaladores (a contar com todos os escalões)! Também esta difícil organizar uma prova que esteja ao agrado de todos pois há pouco dinheiro e isso dificulta a sua organização. É triste ser assim…

Deixemos as coisas tristes, então, e voltemos à Serra. A Serra da Estrela e o granito são o amor da tua vida ou é apenas uma opção de proximidade, que rapidamente trocarias por uma falésia calcária da moda?

NUNCA trocaria o meu tão adorado granito ahahaha. Gosto muito de escalar em granito, é completamente diferente, claro que também não digo não aos outros tipos de rocha, mas se me perguntarem qual gosto mais, a resposta é imediata: granito. Talvez seja por estar habituada…

Há quem diga que é a rocha rainha…

Concordo ahah.

Na tua página do Facebook aparecem como referências na escalada Paul Robinson e Adam Ondra, o que me parecem escolhas bastante óbvias, mas nenhuma rapariga… há alguma razão para isso, não conheces nenhuma que te sirva de referência?

Não, pelo contrário. Uma grande referência para mim é a Lisa Rands. Gosto muito da garra dela, não desiste do problema que tem à frente e tem muito boa disposição. Digo isto pelos filmes que vejo, ahah, porque escaladoras que conheço, gosto muito da nossa kimie.

Ha…a bouldering diva, Lisa Rands,…é daí que vêm as tuas famosas unhas?

Ahaha não! As minhas coloridas unhas vem de tempos que eu ainda nem conhecia a Lisa.

Precisamente as unhas. Não achas o bouldering muito agressivo para as delicadas mãos de uma donzela, como lidas com esse problema? Digo isto porque, no geral, as raparigas costumam queixar-se muito da agressividade do granito e gostam de rochas mais “soft’s” como a arenisca…

Eu não acho o granito muito agressivo. É uma questão de habituação, só custam os primeiros dias porque a pele não esta habituada. Bem… se uma rapariga é escaladora tem de deixar as mãozinhas de donzela de lado. Os calinhos aparecem sempre, mas isso não impede de pintar as unhas e dar um toque feminino à escalada, são manias…. Claro que um cremezinho depois de escalar também faz bem. E, ainda mais: o verniz protege as unhas da agressividade do granito, ahah, só para concluir!

Hum…recomendas verniz à rapaziada, então?

Ahahah, eles não iam gostar muito da ideia, por isso não recomendo senão deixam de me levar para a rocha com eles!

Muito bem, obrigado Sara. Para acabar, qual é o próximo bloco da tua lista?

Já está a acabar? Óptimo, porque daqui a nada vem cá buscar-me para ir à serrinha, eheh, os próximos a serem meus são o Super Licença (Covão Cimeiro) e o Rosa Negra (Pedra do Urso)!