REP

Recordações da Época Passada

 

Recordações da Época Passada. O sótão.

Oldemiro Lima, a dar duro no Sótão.

Smells Like Teen Spirit. Cheira a pó e a magnésio. Aneurysm. Abrenuncio. Mais pó, mais magnésio, mais dores nos dedos. The Man Who Sold The World. Toca a campainha. Molly’s Lips. Vem alguém a subir as escadas. Son Of A Gun. Risos. Mexican Seafood. Merda de presas. Something in the Way. A cassete enrolou outra vez. The Man Who Sold The World. Outra vez. Territorial Pissings. Merda de aparelhagem. Come as You Are. Por quatro contos não se podia esperar melhor.

No inicio era o pó. Literalmente o pó. Toneladas de pó, cristalizando objectos, moveis e até o próprio tempo. Cada vez que levantávamos uma tábua ou desviávamos um armário, viajamos no tempo. Andávamos para trás uma geração e efabulávamos as mais loucas histórias. Éramos bons nisso. Ficavam a doer-nos os abdominais de tanto rir. Éramos bons nisso.

Quando as vigas de madeira do telhado ficaram à vista, surgiram aquelas palavras escritas a vermelho vivo. Abrenuncio. Depois outra. És feliz não tens problemas. Pedimos explicações. Não nos deram. As histórias ali passadas não eram nossas. Aceitamos. O futuro sim seria nosso, e para já, se nos portássemos bem, o sótão também.

Começamos a carregar placas pela longa escadaria acima. Mais vigas, meios-fios e barrotes afins, em quantidades tais que os donos da casa ficaram com medo que o telhado lhes caísse em cima da cabeça. “Não há problema. Isto é mesmo assim, faz parte da construção de muros de escalada em sótãos”, dissemos tranquilizadores. “Ai, sim?”.

Os muros construíam-se com ângulos de 60º ou 70º em relação à vertical. Assim conseguia-se em espaços com um pé-direito reduzido maximizar a distância escalável, mas é também um dos ângulos menos eficazes para treinar porque limita muito o tamanho das presas para além de não ter quase relação para a rocha real. Enfim, era a fruta da época. Tínhamos visto um em Sintra, do Rui Carvalheira, então um dos primeiros a surgir para as bandas de Lisboa e prometeram-nos um power infinito treinando em semelhante máquina de tortura. Não precisávamos de muito mais para ficar convencidos, só precisávamos de um espaço. O Martinho tinha um sótão vazio e mão-de-obra não faltava.

Exageramos. Nunca fomos de meias medidas. E aquilo nunca mais ficava pronto, mesmo trabalhando todos os dias depois das aulas. Ao fim de um mês épico de trabalho quase diário o primeiro muro ficou montado, o tal de 60º, depois ao longo de um ano foram-se fazendo melhorias e acrescentos como se de uma teia de aranha se tratasse. Na versão final teria 50 metros quadrados escaláveis, mais de 500 presas, campus board, sala de musculação, tudo e mais alguma coisa.

A instalação sonora era garantida pelo rádio-gravador mais barato que encontramos, e inexplicavelmente, ou por preguiça, ou por eficácia, só existia uma cassete, um mix dos Nirvana que passou milhares de vezes, a tal ponto que ainda hoje ouvindo algumas daquelas musicas sinto um impulso nervoso para começar a apertar.

Os treinos eram caóticos, duros e divertidos, sempre pontuados pela presença eléctrica do anfitrião. Que mal conseguia dormir, estudar ou pensar com uma muro daqueles a pairar por cima do seu próprio quarto. Um tipo com dezassete anos a explodir para a escalada com uma coisa daquelas literalmente por cima da cabeça, retrospectivamente tenho de admitir que é demais para qualquer um.

Um dia, por exemplo, o Martinho estava pendurado a aquecer fazendo tracções numas presas por cima de uma porta e alguém disse: “Aposto que não te aguentas aí com um gajo pendurado em ti”, não foi preciso mais, perante o seu ar de desafio, alguém saltou logo e agarrou-se a ele, que impávido e sereno continuou pendurado como se nada fosse, face à provocação, saltou outro, e já eram dois pendurados, e o Martinho nada, “E três?”, salta mais um, agora é um tipo agarrado a dois puxadores a ranger os dentes e outros três pendurados nele a rir e a gritar. Até que de repente caem todos com estrondo, no meio da confusão olho para o chão e o Martinho continua titanicamente agarrado às duas presas, olhamos todos para cima incrédulos, a placa de madeira apresentava dois buracos redondos perfeitos. Para nós isto passou a ser a definição de treino com carga.

Depois desvaneceu-se. Os interesses divergiram, as trajectórias separaram-se, muitas para mal se voltarem a tocar. O pó voltou. Lentamente. Cristalizando mais uma vez o tempo algures num sótão da cidade do Porto.

The Man Who Sold The World. As coisas nunca mais serão como antes. Come as You Are. Vem alguém a subir as escadas. Smells Like Teen Spirit. Decididamente nunca mais serão assim. Aneurysm. Risos. Something in the Way. O espelho quebrou-se algures pelo caminho. Molly’s Lips.  Riamos até nos doerem os abdominais. Son Of A Gun.  Éramos bons nisso. SM 27/02/2012

 

Recordações da Época Passada. Épico Para Que Te Quero. 

 

Ao princípio tudo eram épicos.

As vias eram grandes de mais, difíceis de mais, sujas de mais, boas de mais para lhes resistirmos. Nós éramos lentos de mais, inexperientes de mais, ambiciosos de mais para lhes resistirmos. O resultado só podia ser um: grandes épicos.

Épico em português vem de epopeia, que pode ser, para nossa conveniência, sinónimo de grande aventura. Na tradição anglo-saxónica, que aqui utilizo, “epic” significa também uma grande aventura, geralmente associada a bivaques inesperados na parede ou montanha, tempestades, situações imprevisíveis que resultam em quase desgraças que felizmente não se concretizam, deixando apenas algumas mossas e intensas impressões gravadas para sempre na memória dos protagonistas. Estes são os ingredientes dos “bons épicos”. Os maus também existem mas são bons para esquecer. As tragédias só são boas histórias para os outros.

Na escalada/alpinismo anglo-saxónico os épicos são levados a sério. A revista Climbing, por exemplo, tem números especiais só dedicados a eles com as histórias mais mirabolantes. Se existisse um rei dos épicos, Joe Simpson não teria dificuldade em ser coroado. Conhecidíssimo pelo ultra-mega-épico dos Andes, é no entanto na sua autobiografia, This Game OF Ghosts, que encontramos as mais deliciosas e incríveis aventuras, e claro épicos inacreditáveis. Mas, para se ter um épico, não é preciso quase ressuscitar dos mortos como o Joe Simpson no Siula Grande, basta ser inexperiente quanto baste e ter azar com a meteorologia.

Depois da nossa quase escalada da Meadinha, precisávamos de algo grandioso que eclipsasse por uns tempos a frustração causada pela tentativa falhada. Um pouco mais abaixo no vale ficava a Nédia, a maior parede de Portugal. Perfeito, a título de grandiosidade não se podia pedir, nem havia, mais. O facto de a Nédia ser uma espécie de encosta com granito projectado, era um detalhe, aquilo tinha cerca de vinte largos para escalar com corda e a última parte torna-se quase vertical, e acima de tudo parecia, e era, selvagem como o caraças.

Os ingredientes eram apetitosos e  algo inquietantes: aproximação excruciante, reuniões onde a única protecção era uma martelo entalado, passagens com “passos de homem” na mais pura tradição alpina e finalmente uma saída selvagem até voltar à “civilização”.

Nada disto nos demoveu, estávamos à altura do desafio, tínhamos o martelo e tudo. Só não nos decidíamos por que pés-de-gato usar, “Vão dois pares para cada um, e não se fala mais nisso!”, “Sim, parece ajuizado”. Comida suficiente, água de reserva e roupa de abrigo eram pormenores secundários que pensar neles e calcula-los só atrapalharia os nossos planos grandiosos e tiraria brilho à nossa ansiada aventura, alem de mais pesavam e ocupavam espaço na nossa já atulhada, de bens essenciais, mochila.

A nossa estratégia resumiu-se em procurar um sitio para dormir o mais perto possível do inicio da marcha de aproximação. A escolha caiu sobre Tibo, a aldeia onde se deixa o carro, onde uma casa em construção serviu na perfeição para residência nocturna.

Madrugamos. Ainda era noite quando fomos deixando para traz o nosso refúgio improvisado. Atravessamos a aldeia adormecida, acossados pelos latidos de dezenas de cães furiosos. Rapidamente chegamos ao rio, que decidimos atravessar cedo de mais, uma primeira decisão errada, numa série de várias que fatalmente traçariam o caminho do épico. Às apalpadelas corrigimos a trajectória encontrando um caminho que seguia ao longo da margem até estarmos em linha com a parede, aqui teríamos de abandonar os caminhos e navegar no mato até há base da parede, seria um presságio para o que aí vinha: até à tarde do dia seguinte não veríamos mais caminhos e “comeríamos” mais mato do que alguma vez sonháramos.

Mas eis que finalmente tínhamos alguma rocha pela frente, “ livres do mato!” exultamos inocentemente. A via – dos Narizes, para os poucos conhecedores – nos primeiros dois terços é muito tranquila, super tombada, às vezes a um ponto em que deixamos de escalar e ridiculamente passamos a andar. Passa por um jardim a meio e depois entra numa espécie de canal até que, por fim, chega a terrenos um pouco mais verticais.

O dia já ia bem avançado quando chegamos à base da famosa fissura do “passo de homem”. Estávamos a torrar, tínhamos estado a escalar todo o dia à chapa do sol, e já quase não tínhamos água. Água que em breve seria o nosso principal problema. Sem darmos conta, o tempo mudara, e preparava-se uma típica tempestade de Verão de fim de tarde. Mas a nossa preocupação do momento era chegar ao spit que era a única protecção do offwidth que tínhamos pela frente. Sem friends gigantes, ou tubos, resolvemos usar mesmo o método original: um trepa para cima do outro e meia fissura fica feita e o spit protegido, arrasta daqui arrasta dali e estamos já perto da saída, tendo pela frente uma série de placas. Entretanto o céu fechara completamente e começa a chover copiosamente. Apanhados na ratoeira, só temos uma saída, o Rui decide avançar, pois parte da placa fica debaixo de uma espécie de tecto, meio fora meio dentro, já com a chuva a cair com intensidade, conseguiu sair. Ainda hoje não sei como conseguiu escalar aquela placa ensopada praticamente sem protecção nenhuma. Mas o que é facto é que conseguiu e estávamos fora da via e no cimo. A tradicional exultação e alívio de sair de uma via grande estavam, por assim dizer, diluídas na montanha de água que nos caía em cima. Ensopados, literalmente, até aos ossos, não tínhamos mais nada para vestir alem de uma sweatshirt, e para ajudar à festa estava a anoitecer e não sabíamos para onde ir ou seja não sabíamos como sair daquele monte.

Começamos a andar, como dois zombies na noite, errantes e sem destino debaixo de uma chuva diluviana. Ao fim de algum tempo, desesperados, começamos à procura de um abrigo ou algo que se assemelhasse. Não encontrando nada, encostamo-nos a um calhau e colocamos uns ramos muito mal amanhados por cima de nós, pelo menos agora a chuva não nos caía na cabeça, só nas pernas e nos pés. E eis que estavam reunidas as condições para um bivaque de emergência na montanha. A noite nestas circunstâncias é uma espécie de insónia forçada só que ao invés de rebolar indolentemente na cama à procura de uma melhor posição, não paramos de tremer e à medida que a hipotermia se tenta instalar vamos contando o lento passar das horas sempre com a secreta esperança de começar ver a luz da madrugada no horizonte. A meio da noite o Rui decide pegar fogo às folhas que estão debaixo de nós, agarramo-nos logo a esse objectivo que rapidamente passou ao topo das nossas prioridades. Finalmente, quando já sonhávamos com uma lareira, começou a sair fumo das folhas molhadas, fogo nem velo, mas saía fumo o que não era mau, rapidamente transformamo-nos em fumeiros humanos disputando avidamente o lugar por cima da fumarada. Por fim lá nasceu o dia e como sempre acontece depois de uma tempestade de Verão, completamente limpo. Procuramos um sítio alto e exposto e aos poucos fomos aquecendo e secando a roupa e a tralha. À medida que o dia ia aquecendo, rapidamente percebemos que iríamos enfrentar outro problema: não bebíamos nada desde o dia anterior, não tínhamos água nenhuma, nem onde a ir buscar. Uma situação no mínimo bizarra depois de estar debaixo de uma tempestade.

Começamos a andar para Norte na cumeada, sabendo apenas que teríamos de descer a determinada altura para o vale da Peneda, só não víamos como. Sempre que tentávamos descer éramos engolidos pelo mato, e tínhamos de voltar à cumeada, começávamos a desesperar, o cansaço, a fome e principalmente a sede iam tomando conta do nosso discernimento. A fome aguenta-se bem, mas a sede, em muito pouco tempo, torna a situação extrema, exacerbada pelo calor excruciante.

De repente, face a mais uma descida de aspecto intransponível, o Rui diz, “ Pá, não quero saber, vou usar o método do meu primo!”. O “método do primo” era uma muito discutida, entre nós, teoria que no monte em última escolha a linha recta é a melhor opção. E, sem mais, atirou-se literalmente ao mato começando a descer a direito. O mato, uma mistura de giestas de mais de dois metros, silvas e árvores caídas, era de tal maneira denso que ele desapareceu de vista num instante.

Durante uns segundos, que pareceram eternos, fiquei isolado no cimo do monte, bloqueado e sem saber o que fazer. Sentindo um lento desespero a crescer. Antes de quebrar e começar a chorar cheio de pena de mim mesmo, grito: “ Foda-se, espera aí!”.

O que se seguiu foi a mais louca descida que jamais fiz, atiramo-nos, como kamikazes, a correr pela encosta abaixo, rasgados e arranhados pelas silvas, tropeçando e caindo nas árvores caídas, às vezes com cambalhotas completas, fomos abrindo com o nosso próprio corpo o caminho. Até que rebolando demos com um tubo preto, “ Eh! isto parece um tubo de água”, desesperadamente começamos a tentar cortar o tubo, mas não tínhamos como, “Espera! deve ter uma emenda”, percorremos o tubo sofregamente e lá estava ela, separamos as duas parte e imediatamente jorrou água em abundância, não sabíamos de onde vinha aquilo, mas era a água mais fresca e deliciosa que alguma vez bebi, que dádiva. Saciada a sede, recompusemo-nos um pouco melhor e já conseguíamos pensar com mais clareza, se andava ali um tubo não devíamos estar longe de um caminho.

A rebolar, literalmente, mais uma vez, caímos em cima do caminho que levava ao vale. Estávamos safos. Quando chegamos ao rio vejo uma poça de água cristalina que, qual  miragem, começa a atrair-me como um íman, começo a tira a roupa e só então vou tomando noção de como estávamos: arranhados, esfolados e com a roupa reduzida a trapos, tudo rasgado. Atiro-me à água sem pensar mais. Quando emergi da água gelada, já tudo estava para trás, tudo estava bem e o nosso épico começava já lentamente a ocupar o seu lugar nas finas páginas da memória escritas a fogo ou, neste caso, talvez a água. SM 03/01/2012

Recordações da Época Passada. O Rei Dos Frangos.

“Taque!” O som rápido e metálico de algo a fritar faz-me despertar do torpor. “Taque!” Outra vez. Desta vez abro os olhos, não sem dificuldade, para tentar perceber o que se passa.

Redinha. Falésia da Senhora da Estrela. Agosto. Temperaturas proibitivas. Escalamos de manhã muito cedo e ao fim da tarde. Pelo meio vamos para o café-restaurante ” O Farol da Srª da Estrela”, vulgo “O Pipo”, e estamos ali, à sombra do alpendre, a dormir e a comer gelados, vendo o lento passar das horas mais quentes do dia.

“Taque”! Outra vez. Já sei de onde vem o som. É daquelas horríveis armadilhas eléctricas para apanhar moscas, mas esta está a funcionar muito bem, ou as moscas estão com tendências suicidas. Desperto, vou verificar o que se passa. Há! O Martinho, irrequieto como sempre, não se deixa dormir, e arranjou algo com que se entreter: diverte-se a apanhar moscas com as mãos e depois atira-as com força para a fritadeira. “Taque!” Mais uma. Enfim… é uma maneira de passar o tempo.

O Martinho é, para mim, a personificação de uma época e de um estilo de vias na Srª da Estrela ou Redinha como nós sempre chamamos aquilo. Vias curtas e explosivas, uma espécie de bloco com corda. Esse estilo culminou com o encadeamento em 1995 do Abrenuncio primeiro 8a de Portugal, ou segundo conforme os historiadores verticais que se consultem, ou terceiro se contarmos com o Lobo das Estepes, em Trás-os-montes. Mas, uma via é talvez ainda mais icónica para mim: o Rei dos Frangos. Esta via, na realidade um bloco, consiste basicamente em superar uma típica pança da Redinha com quatro ou cinco passos explosivos e marcou uma época, sendo também uma das primeiras que o próprio Martinho equipou.

Tendo já feito todas as vias existentes na altura, que não eram muitas, começamos a olhar para outras linhas. Aquela pança era apelativa, já tinha um par de spits no tope e tudo. Decididos, montamos a corda para se dar uns pegues. Começamos a assediar a via mas a única coisa que saía eram uns bonitos pêndulos.

Num desses dias andava pela Redinha outro Martinho, mais conhecido por “Flau”. Estava então no auge das suas capacidades e era, sem dúvida, um dos escaladores portugueses mais fortes, uma máquina dotada de dois hidráulicos no lugar dos normais apêndices a que chamamos braços. Gostávamos especialmente de o picar, para assistirmos da bancada à maquina a funcionar a pleno gás. Já tínhamos, por exemplo, apostado com ele o flash da Electra, e para nosso gáudio não nos desiludiu, triturando os monodedos da via enquanto arrastava os pés pela parede acima como se de dois pesos mortos e incomodativos se tratassem, não se podia dizer que fosse bonito mas era tremendamente eficaz.

Pedimos-lhe para experimentar a nova linha e para nossa surpresa rapidamente fez os passos, até que ao aproximar-se do top, solta um grito: “Ei baixem rápido que está aqui um ninho com pássaros”.

“São grandes? São pequenos?” “Pá…não sei dizer…são assim do tamanho de … frangos!” Perplexos deixamos a via a marinar e esperamos que os pássaros crescessem e fossem à sua vida, a via só se equipou e encadeou muito depois quando nos certificamos que o ninho estava abandonado. Mas o mito ficou, e fomos criando histórias sempre com os frangos às voltas, pois sempre que se ia de baixo não se sabia se haveria surpresas no fim da via. “Sérgio, se chegar lá acima e estiveram lá os frangos mando-me logo.” “Ok, tranquilo”. “Mas o encadeamento vale na mesma, não vale?”, “Claro! Rei dos Frangos”.SM 24/10/2011

 

Recordações da Época Passada. O Primeiro Passo.

Privados, por humanas limitações, das nossas primeiríssimas memórias. Sabemos apenas que o primeiro ar deste mundo nos fez berrar, o primeiro passo nos fez cair e a primeira vez que caímos foi para nos levantarmos. Será assim pela vida fora: prisioneiros de um instinto que faz de cada queda uma aprendizagem. A nossa tragédia é também a nossa salvação. Se a escalada é ascensão a sua antítese, a queda, é a ignição. Uma não vive sem a outra na grande metáfora da vida que é, para quem assim quiser ver, a escalada.

O primeiro passo é como a primeira passa. Não sabemos bem o que estamos a fazer, é intoxicante e vicia.

O primeiro passo que me viciou foi nas Fragas do Castelo, em Valongo. Não foi a primeira vez que escalei, mas sim a primeira vez que encontrei um passo que não conseguia fazer. E comigo aconteceu logo no primeiro dia. Um caso de predestinação, poder-se-ia dizer.

O passo era de placa, concretamente um arranque de uma via. Envolvia subir um pé bastante alto para uma réglete, colar a cara à parede e esticar um braço, em precário equilíbrio, até uma boa presa. Sem pés de gato, sem magnésio e sem arnês, era como se a parede estivesse coberta com uma fina camada de massa consistente, fazendo com que a diferença entre a minha escalada e a escalada de um pau de sebo por um folião em busca do prémio fosse quase nenhuma. Bom, a escalada do folião seria, sem dúvida, mais estética.

Como tinha chegado aquela situação? Tudo começou nos escuteiros. Cansados de atar nós e praticar boas acções, começávamos a sentir uma atracção pela aventura. E aventuras, como sabem, envolvem cabos e ganchos e vertiginosas montanhas.

Para cumprir o nosso desígnio tínhamos uma certeza: precisávamos de material. Das vertiginosas montanhas trataríamos depois. Ora, material de escalada pura e simplesmente não existia, ou se existia não sabíamos onde o conseguir. Estávamos neste impasse quando encontramos, no nosso agrupamento, uns opúsculos da federação de espeleologia onde se ensinava a construir arneses com correias de cintos de segurança de automóveis. Esmiuçamos o esquema, parecia fácil de fazer e era exactamente o que precisávamos. Rapidamente posemos mãos à obra. Uma visita ao sucateiro local. Os dotes e a maquina de costura de uma das mães e, nasciam uns magníficos arneses integrais que fechavam no peito, com um sofisticado “click”, usando própria fivela automática dos cintos de segurança. Agora que éramos orgulhosos proprietários de luxuosos arneses de fecho automático, precisávamos de cordas. Uma incursão à drogaria local revelou imediatamente que as cordas plásticas eram as melhores. Resistentes, coloridas e ainda por cima baratas. Não se podia pedir mais. Sentíamo-nos uns sortudos.

Assim aprovisionados estávamos prontos para um encontro com o destino, ou melhor: prontos para a aventura. Quis a deusa da fortuna que não fizéssemos a mínima ideia onde se escalava. Na altura não abundavam falésias equipadas, ficando a nossa experiência reduzida a uma atabalhoada subida de uma encosta de mato em que seguíamos todos atados uns aos outros, tal e qual uma cordada múltipla de progressão em glaciar. Esta ascensão teve o condão de sossegar o nosso espírito aventureiro por uns tempos, pois subir encostas de denso mato não nos pareceu assim tão espectacular e perigoso ao ponto de insuflar doses industriais de adrenalina nas nossas veias.

Andamos sossegados por uns tempos até que chegou ao Palácio de Cristal uma feira de campismo, não sei se chamaria já Campisport. Sendo os escuteiros um alvo preferencial destes eventos também recebemos convites.

Lá andávamos a tentar orientar-nos no labirinto de caravanas, tendas familiares, barcos e churrasqueiras, quando demos de caras com o stand do Clube de Campismo do Porto. O stand ficava a um nível superior, uma espécie de segundo anel que hoje já não existe, e tinha um boneco vestido de alpinista pendurado numas cordas sobre o vazio. “Uau! isto sim é o que nós queremos!” Exclamamos. Enquanto observávamos, esgazeados, a precária dança do boneco sobre o abismo. Ficamos com o contacto do clube e fomos à nossa vida com a promessa de uma visita próxima.

Aparentemente o clube reunia todas as quintas à noite. Enviamos dois batedores, os dois com mais liberdade para sair à noite, e as novidades não tardaram a chegar. “ Pá! Há lá um gajo muito fixe, ficou um tempão a falar connosco, acho que podemos aprender lá umas coisas”. Esse “gajo” chamava-se Vitor Teixeira e iria mudar as nossas vidas para sempre, pelo menos a minha mudaria.

Ao nosso entusiasmo de aprender juntou a sua vontade e talento para ensinar e rapidamente se organizou um curso de escalada para a próxima Páscoa em Valongo. Perfeito.

Seriam umas cinco da tarde e a aula do curso tinha chegado ao fim. Tratávamos do acampamento na zona dos moinhos das Fragas do Castelo. Não me dava por vencido e não conseguia desviar a minha atenção da parede ao fundo. “Vitor? O que é necessário para conseguir fazer aquele passo?” Perguntei. “ Pá, tens de ter pés de gato”. “Hum…podias emprestar-me os teus velhos?”. Ele olhou-me estranhamente, o Vitor tem um metro e noventa, “Tá bem, já que insistes, mal não te vai fazer” e lá fui eu com uns Boreal Firé 44 todos esburacados tentar o meu primeiro passo. SM 14/09/2011

 

 Peneda, Uma Primeira Vez que Não o Foi.

Vroummm!! O som rouco do motor do velho Renault 11 do Rui Pimentel corta o silencio sepulcral da Serra do Soajo, ao mesmo tempo que uma nuvem gigante de poeira, vai assinalando a nossa passagem  com um longo traço de pó na paisagem.

Estávamos, pela primeira vez, a caminho da Peneda, mais concretamente da Fraga da Meadinha e na bagageira  levávamos todo o tipo de material e aspirações. Dois arneses  integrais e dois de cadeira, pés de gato de cordões e bailarinas ninjastopers, pitões, excêntricos e tricams, martelos,  capacetes,  estribos, joelheiras e friends, cordas simples e duplas, cintas curtas e cintas longas e por fim surtidos de mosquetões variados. Na realidade  não fazíamos a mínima ideia ao que íamos.

A fama da Meadinha era tremenda – uma espécie de bicho-papão para os escaladores do Porto -. Tal como a pesca, a escalada de aventura vive muito de enfatizações. São criados monstros e adamastores que fazem da antecipação e preparação para as escaladas etapas tão memoráveis como a própria escalada em si. E, para o processo ficar completo exige-se  uma desmitificação em ordem a superar o mostro e cavalgá-lo a posteriori. Mas para chegar aí é preciso sofrer, e muito, como estávamos prestes a descobrir.

Chegados à imponente praceta do santuário,  rapidamente montamos o nosso estendal, sentindo sobre nós a sombra da tremenda parede, que mal nos atrevíamos a olhar de frente. Timidamente pegamos no croqui,  e tal como na  ementa de um restaurante demasiado caro, escolhemos o prato da direita para esquerda, olhando primeiro para os graus e só depois para as vias. E, o cardápio marcava para a nosso dieta: uma das vias do Irmãos Pacheco, V+/A0, mesmo no extremo direito da parede. “Ok! V+/A0! isto parece fazível”  dissemos muito satisfeitos com a nossa sábia escolha.

Começamos a equiparmo-nos e optamos pelos arneses integrais. Tinham-nos dito que para o artificial eram do melhor,” ficas como um bebé!”, e logo nos imaginamos a cruzar um tecto confortavelmente metidos numa espécie de  berço, “até deve dar sono!”. Depois, começamos a pendurar toda a espécie de quinquilharia que achávamos necessária, capacetes incluídos, mais água e comida. Faltava escolher os pés de gato: uns Boreal firede cordões ou umas bailarina ninja?  Indecisos, decidimos levar os dois, nas placas escalaríamos de ninja e nas fissuras de fire. Contentes, com mais esta  sábia decisão, fizemo-nos ao caminho com toda a quinquilharia a tilintar.

O caminho empedrado é muito bonito, mas sobe e sobe e não para de subir. E, numa tarde de Julho parece subir ainda mais. Exaustos e a suar em bica chegamos à base. Segundo o croqui teríamos de  ir para a direita até ao fim da parede. Olhamos, e vimos uma zona de mato cerrado  com muito mau aspecto “ups! parece que vamos ter de nos meter ali!”

“É fácil! Deve ser sempre a direito pelo meio do mato!”. Começamos a embrenharmo-nos no matagal, e este ia ficando cada vez mais denso. Ora um friend ficava preso. Ora uma das cordas ficava presa nas silvas. Até que se desatavam e começávamos a lutar wrestling com  ramos, silvas e friends, acabando sempre vencidos e embrulhados nas nossas próprias cordas. Para cima, para baixo, contornando pedras  e evitando árvores. Movíamo-nos à velocidade de cruzeiro de cem metros por hora. Desesperados, tentávamos chegar à base das vias,” hum, não deve ser esta, não bate certo!” e voltávamos para baixo. Até que nos perdemos, naqueles túneis de javalis. Arranhados, esfolados e esfarrapados, passamos a ter como principal objectivo sair dali para fora.

Quando finalmente vimos, literalmente, luz ao fim do túnel, já era demasiado tarde para tentar o quer que fosse.

Tínhamos aprendido duras lições, os arneses integrais foram postos de parte para sempre, uma mochila passou a fazer parte do material de aproximação e começaríamos a explorar a parede pelo lado esquerdo. E, principalmente, ganhamos uma aversão ao mato que nos ficou para sempre.

Decidimos deixar de parte  a Meadinha por uns tempos e no dia seguinte iríamos escalar a Nédia, que ostentava e ostenta ainda  o estrondoso título de maior parede portuguesa, onde nem suspeitávamos que iríamos viver um dos maiores épicos das nossas vidas. SM 08/11/2010

 

No Salto Tudo é Perfeito

Escalar no Salto é uma aventura. Uma aventura que começa na estrada. Rapidamente baptizamos dois troços, como se de um rally se tratasse, entre a auto-estrada e a Sra. do Salto. Dez quilómetros de puro desassossego. O primeiro, entre a A4 e Recarei, ganhou o nome de Recarei Racers, porque a probabilidade de apanhar um carro tuning fora de mão em sentido contrário são para aí… dez em dez. Chegados a Recarei, respiramos fundo, por breves segundos, e preparamo-nos para enfrentar o troço: Mad Max Racers, onde entram em acção os motoqueiros aceleras sem capacete, executando desde configurações do estilo festival da GNR, isto é, ver quantas pessoas consegue levar uma mota em andamento, até malabarismos que só me lembro de ter visto no Poço da Morte.

O Poço da Morte. Como eu adorava aquilo, não havia S. João ou Sr. de Matosinhos em que não implorasse um bilhete. Primeiro era o fascínio das motas do mais puro estilo anos 70, depois o pré-espectáculo cá fora em que um mestre-de-cerimónias apresentava os intrépidos pilotos kamikaze, prestes a enfrentar uma morte certa. Convencidos, subíamos a íngreme escada e era preciso furar entre a multidão para se conseguir uma janela entre braços e ferros e assim ganhar a vista picada e vertiginosa sobre a arena. Aquilo começava e o barulho era ensurdecedor, primeiro, um carro ou kart ou sei lá o quê, depois as motas, com os pilotos a usarem lenços na cabeça em vez de capacete e sempre a acelerarem cada vez mais depressa, sem uma mão…sem duas… abriam o peito e esticavam os braços sempre com uma expressão impávida. Como é bom ser pequeno, desconhecer toda a Física, e as forças centrípetas e centrífugas servirem apenas para alimentar o vórtice da nossa imaginação. Acordo de repente. Esta não é estrada para se sonhar acordado. E, já chegamos ao Salto.

Descemos a pique para o terreiro, uma espécie de “tarrafal” poeirento onde conforme os dias podemos encontrar de tudo, literalmente de tudo. Motoqueiros de duas e quatro rodas em permanente e infernal sobe e desce da ladeira. Vendedores de banha da cobra. Piqueniques entre o caos de carros estacionados. Concentrações de smart´s. Equipas de vídeo casamenteiro a filmar pares de noivos, numa espécie de twilight zone nupcial. Insufláveis. Paredes artificiais de escalada. Campeões do rappel e do slide. E, por fim pescadores e banhistas num rio em que o oxigénio não abunda.

Do outro lado do rio, mesmo em frente ao “tarrafal”e na base da falésia trad fica uma bucólica e bonita quinta-casa- moinho. Mas, também, para os felizes moradores nesse jardim do éden terrestre a vida é uma aventura, pois são protagonistas da mais incrível história do Salto, o que não é pouco, e que dá nome a um sector: o Sonho Interrompido. A história prestes a passar à categoria de mito suburbano é mais ou menos assim: A noite decorria tranquila, embalada pelo doce correr das águas, quando, na estrada que passa em cima da falésia uns rufias da zona decidem atirar um carro pela ribanceira abaixo. Onde vai cair a viatura? Precisamente na divisão ao lado onde dormiam os donos e moradores de tão tranquila villa. Garantindo-lhes um despertar arrasador, alem do sonho interrompido.

Passamos este cenário de guerra, e esgueiramo-nos pela margem do rio, por um trilho secreto que nos leva ao nosso sector preferido: o Suaves Prestações, onde a base das vias forma uma espécie de ilha de tranquilidade. Ali a acção do tarrafal apenas nos chega como um som longínquo e incomodativo, um pouco como a televisão de uns vizinhos octogenários permanentemente sintonizada nas telenovelas e com o som nas alturas.

E a escalada? Bom, a escalar, depois do que passamos, sentimo-nos tão radicais como os frequentadores de um shopping ao Domingo de tarde, ou tão aventureiros como quem tem de mudar de barbeiro. A única coisa que faz a adrenalina voltar a um estado latente é ter de voltar…SM 8/06/10

Yosemite. À Sombra de Gigantes.

Camp Four, Yosemite. Se este é um dos centros do mundo da escalada, o centro do próprio campo é centro do mundo do Bloco, pois é lá que está o boulder mais famoso do mundo: o Midnight Lightning, situado no Columbia Boulder.

As manhãs são lentas, a maior parte do campo está à sombra até tarde e à sombra em Yosemite faz frio, um frio de rachar a partir de Outubro. Acendem-se algumas fogueiras das cinzas da véspera e o café começa a ferver nas cafeteiras.

Do meu campsite vejo um tipo seco, alto e de cabelos compridos já bem grisalhos. Umas calças rotas e uma t-shirt sem mangas associadas a um olhar fixo na acção em volta do Midnight Lightning indicam tratar-se de um escalador, como de resto seria de esperar aqui. Aproximo-me um pouco do bloco e a personagem volta a chamar-me a atenção, um bigode tipo Frank Zappa, e uma cara enrugada como um pergaminho onde brilham uns olhos metálicos. Merda! É o Jim Bridwel! Exclamo para mim mesmo, enquanto uma súbita e estúpida emoção apodera-se de mim. O meu primeiro impulso é ir cumprimentar o homem como um fã que vai pedir um autografo ao seu ídolo. Ridículo. Resisto a este impulso, mas fico estático como se tivesse sido atingido por um raio.

As estrelas da escalada, não me causam grande impressão. Mas o Jim Bridwel é o Jim Bridwel. Não é o que escalou ou deixou de escalar, é a personalidade, as aventuras, uma espécie de modelo da escalada beatnik e politicamente incorrecta ou mesmo insurrecta. A personificação da liberdade da escalada. E, uma espécie de personificação deste lugar, não uma personificação new age em que se transformou o Ron Kauk por exemplo, mas uma espécie de símbolo vivo.

O bloco tem ainda uma particularidade, um “lightning bolt” desenhado com magnésio que aparece misteriosamente todos os dias desenhado de fresco. O efémero magnésio tal como a escalada de circunstância e perseguidora de graus necessitam de uma renovação constante para se perpetuarem no tempo. Já a presença de Jim Bridwell envelhecido é uma imagem viva do espírito da escalada onde cada ruga esconde uma história, numa face que se confunde com a própria história da escalada.

Existe um cartaz, que infelizmente não tenho, em que ele aparece em primeiro plano a acender um cigarro, sempre Camel, e em pano de fundo uma montanha, uma das suas últimas ascensões talvez. Esta imagem, de uma provocação extrema, traduz na perfeição o estilo indomável que sempre o caracterizou, principalmente numa América que parece voltar ao puritanismo original e onde fumar se confunde com o pecado capital da religião/culto da eterna juventude. A imagem parece dizer: o alpinismo é viciante e prejudicial para a saúde, o que não deixa de ser verdade.

Alguém disse que um escalador é um semideus quando as suas vias não são repetidas durante dez anos e um deus quando passam mais de 20 anos sem repetição. O Jim Bridwell encaixa provavelmente na segunda parte e para isso muito contribui vias como a The Dance of the Woo-Li Masters na face Este do Moose’s Tooth no Alasca escalada no fim do Inverno de 1981, em estilo alpino e em apenas 3 dias, que, claro está, nunca foi repetida.

Deuses, semideuses, monstros e lendas vivas. Tal como todas as actividades humanas a escalada tem o seu próprio panteão e os seus heróis, uns por direito próprio outros atirados para lá por mecanismos mediáticos. São referências que cada um escolhe e cola na sua caderneta de cromos pessoal, e que acabam por constituir uma teia de mitologias pessoais que nos servem de marcos para superar ou simplesmente percebermos a nossa terrena condição.

Estas lendas deviam viver para sempre num lugar ficcional ideal, uma espécie de terreno onírico onde a nossa imaginação as projecta. Mas, a realidade é como uma locomotiva furiosa para a qual o terreno dos sonhos é mera paisagem. E, a realidade económica em 2010 é das piores de sempre. Jim, agora com 64 anos, parece agonizar em dívidas, talvez vitima da aguda crise que se abate sobre os EUA e o Mundo. Acabou de ocorrer uma espécie de festa de beneficência em Joshua Tree a que chamaram Bridwellfest com o objectivo de angariar 10.000 USD para ajudar a família a fazer face às suas obrigações. Os amigos constituíram um fundo para donativos e organizaram uma espécie de leilão com todo o seu material autografado, uns pés de gato usados com assinatura personalizada são vendidos a 50 USD por exemplo….

A decadência, é terreno fértil para sábios de ocasião tecerem das suas confortáveis poltronas comentários acerca de possíveis “planos de poupança e reforma”. Mas ppr’s e jim Bridwel de certeza que são palavras incompatíveis. Ele vive ou viveu o momento fazendo acontecer coisas impossíveis e tão improváveis como um relâmpago atingir um bloco precisamente à meia-noite.

O relâmpago nunca chegou a atingir o bloco, mas o improvável aconteceu, e acontece, muito por culpa dos deuses da escalada. SM29/04/10

Um dia em Hueco

Baú!Aú!Grrrrrr! O rafeiro sai disparado atrás da bola de golfe, que trás diligentemente, passado pouco tempo. Taq! Sai outra bola, e o jogo começa de novo.

Hueco Tanks, Texas, EUA. O green é uma plataforma feita de restos de madeira e um bocado de relva artificial, o resto é providenciado pela imaginação. Fora isto, nada se passa e o Rock Ranch está tranquilo em mais uma gloriosa manhã texana. Os ovos já estão na frigideira prontos a mexer. O pequeno almoço de lei são huevos rancheros e black coffee. Já se vêem os clientes habituais na slack line e o resto é deserto. Literalmente.

Harrrrrghh! Mudança de cenário. Entrada do Parque. Estamos na fila por uma vaga na Northmountain – um dos sectores de Hueco e o único de livre acessoe esperamos há um par de horas. Podemos ver já os primeiros blocos, mas não podemos tocar-lhes. Jogamos à bola, conversamos, mas a impaciência vai tomando conta de nós e os mais irascíveis começam já a saltar e a soltar urros de fúria, especialmente os nossos amigos espanhóis, que como locomotivas a vapor vão acumulando pressão e estão prestes a estourar e a escalar qualquer coisa que apareça pela frente. “Foooooderrrrrrr!”

Zingh! “ we are leaving now S.A.D.” zongh! “Ok, roger! Out”. O nosso guia acaba de comunicar via rádio a posição do nosso grupo e preparamo-nos para seguir para outros blocos. S.A.D. significa Sex After Death e é o nome de um bloco bem conhecido, só que, pela rádio não podem dizer, digamos, palavrões, e tem de usar as siglas. É sempre hilariante, quando a hipocrisia latente na sociedade americana vem à tona. Os guias e os rangers devem maldizer todos os dias o John Shermam e os seu nomes escabrosos. O humor nunca se dá bem em ambientes autoritários, quanto mais humor politicamente incorrecto. Seguimos. Mudamos de planos. Decidimos entrar num tour pela Eastmountain em vez de esperar por vagas para a North. Um tour são as famosas visitas guiadas, que podem durar de duas horas ao dia inteiro, dependendo do grau de fama de cada um ou amizade com os guias, mas oficialmente são duas horas.

“Vengaaaaaaaa!!” mais um ensaio, mais uma tentativa num típico problema enfiado num corridor. Aparentemente e visto de fora ninguém dá nada por Hueco, só que as três montanhas têm múltiplas entradas, corredores, falhas e passagens que multiplicam infinitamente as possibilidades para linhas novas. Uma espécie de labirinto de pedra com inúmeros Minotauros sempre à solta. A rocha é excelente e à prova de bala, as linhas são perfeitas. O clima é frio e seco no Inverno, o mau tempo são as ocasionais tempestades de areia, que não interferindo grande coisa na escalada, apenas são incomodativas para quem dorme numa tenda e acorda literalmente a mastigar o pó do deserto. Um paraíso do Bloco. Ainda não perdido, mas severamente condicionado.

“Some more colesterol, please!” a americana olha para mim, primeiro atónita, depois ri-se às bandeiras despregadas, “ ha…you want more casserole?”. “yah…sim… that´s isso…” Jantar de Acção de Graças. Os donos do rancho, resolveram abrir a casa e fazer por um preço irrisório um grande jantar, diga-se banquete, para todos os escaladores presentes. Nós comparecemos, claro, um jantarinho na acolhedora casa de madeira é uma mudança de cenário bem vinda para fugir à chungaria poeirenta do quintal diga-se camping onde estamos instalados.

Trásssss! Uma nuvem de faúlhas levanta-se da fogueira gigante. Acabam de atirar mais uma carrada de restos de paletes, cortesia de uma fábrica vizinha. Quando a fogueira não está monstruosa o suficiente alguém voluntaria-se para ir buscar com um carrinho de mão uma carga. Carrega, e ao aproximar-se da fogueira começa a correr e atira o carro contra uma pedra colocada convenientemente, este pára violentamente e a carga desliza com estrondo para dentro da fornalha provocando um efeito pirotécnico…

One! Dos! Three! Quatro!… mais um jogo demente, desta vez trata-se de contar quantas voltas sobre si próprio consegue dar um tipo, enquanto abraça uma trave de madeira. Dois voluntários são destacados para “darem spot” e impedir que com a “oura” o jogador se precipite na fogueira. Começa a rodar e a multidão vai contando em coro “ um, dois, três…” até que este já não aguenta mais, larga o tronco e cai no chão ou sai disparado para direcção incerta. E, a noite vai seguindo até que a multidão vai dispersando, e o ruído ainda há pouco intenso vai dando lugar a um murmúrio das conversas dos resistentes, e por fim, o silêncio do deserto instala-se só entrecortado pelos uivos ocasionais dos coyotes. Um dia em Hueco. SM 12/03/10

Nós Eramos os Machacas

Sérgio Martins, Rui Pimentel, Rui Abreu, Martinho Almeida, Oldemiro Lima…

Uma via que já não existe, As 750 Divergências Filosóficas (6c+), dura, dura de roer. Encadeá-la era a senha para entrar no grupo. Nós éramos os “machacas”.

O local era o mais improvável para uma escola de escalada. Em plena cidade do Porto entre o Bairro do Aleixo e o Rio Douro, uma antiga pedreira deixava à vista um granito saibroso vermelho único, que produzia vias também elas únicas, difíceis e bizarras como nunca mais conheci nenhumas. Um sítio urbano, sujo e perigoso. Mas, adorávamos aquilo, o lixo, a colher abandonada pelo junkie, os insultos de quem passava…eram rapidamente esquecidos quando nos embrenhávamos nas contorcidas sequências de escalada.

Hoje já nada disto existe. A rua foi remodelada e a falésia estabilizada. Uma rede de aço cobre tudo deixando ainda à vista os velhos spits como testemunhas petrificadas.

Mas, onde fomos buscar tal nome e o hábito de “machacar” vias?

Agosto. Uma carrinha volkswagen com mais de 30 anos – incendiou-se passado umas semanas da viagem -, cinco mil quilómetros pela frente. Tudo a postos para o nosso primeiro tour de escalada por Espanha.

Ao fim de mil quilómetros, muitas peripécias e três dias de viagem chegamos a Montserrat. Porque fomos directos para esta zona e não outra? É algo de que já não me consigo lembrar, mas visto a esta distância parece que fez todo o sentido termos aterrado ali em plena praça central, no meio de mil turistas numa tórrida tarde de Agosto.

A estrada que levava ao parque de campismo estava encerrada devido a uma derrocada recente, por isso, armamos logo ali um circo impressionante de mochilas, tendas, cordas e literalmente dezenas de sacos de supermercado. Tudo nosso. Empacotadas as tralhas, estávamos preparados para uma semana inteirinha de estadia.

Instalamo-nos e aos poucos fomo-nos apercebendo que aquilo não era um camping normal, era antes um “sítio” onde a escalada estava entranhada. Incrustada na madeira, escavada nas pedras dos muros, só faltando estar envolvido por uma nuvem permanente de magnésio. Locais assim existem muito poucos no mundo, digamos que, literalmente gerações de escaladores locais e legiões de visitantes moldam-nos, dotando-os de uma identidade própria e subtraindo-os a um destino banal.

Foi uma sorte conhecer um sítio assim logo na primeira viagem de escalada. As vias não deixaram grandes recordações mas o ambiente e as personagens ficaram marcados a fogo.

O nosso espaço, rapidamente ficou uma espécie de pocilga. Uma mesa permanentemente montada com, fogões, restos de comida, tachos e panelas que raramente viam a água. Bom, uma noite choveu e o que estava em cima da mesa e interessava preservar, passou para baixo. O resto ficou em cima a lavar. Simples. Mas, algo lamacento.

Ao nosso lado estava uma escalador Italiano. Sempre impecável, bandolete no cabelo cortado com estilo e trajes imaculados. Todas as manhãs, cumpria um estranho ritual: saía da tenda e, a primeira coisa que fazia era retirar os pés de gato de dentro e deposita-los com extremo cuidado e precisão no vértice do iglu. Uns magníficos e brilhantes La sportiva Kendo, ficando, por momentos, a olhar para eles embevecido. E nós, acabados de acordar, todos javardos, ficava-mos ali a olhar para aquilo, enquanto íamos tomando café, embasbacados.

O dono ou guarda do antro chamava-se Marcel Millet, ele próprio uma personagem carismática da escalada Catalã. Conversador, produzia a cada duas frases uma história única, pejada de ideias fortes e controversas. Por aquela altura fazia muita escada artificial e estava justamente a recuperar de um acidente derivado de uma queda numa via nova que estava a abrir. Teria partido as pernas ou algo assim. Gostava de usar ditados ou máximas de ocasião e houve um que nunca esqueci e que vim eu próprio a sentir na pele algumas vezes: “ Quién mucho va a escalar, el hospital va a visitar”. Não aprecio muito este género de sentenças proféticas mas o facto é que ele próprio já tinha visitado o hospital muitas vezes e eu algumas vezes vim a visitar também. Noutra visita que fiz a Montserrat anos depois, vi-o a passar caminho acima com uma enxada ao ombro e um filhote de 3 ou 4 anos pela mão, “Viva, onde vais?” perguntei, “ desenterrar blocos!” respondeu,” estou a fazer um circuito de bloco infantil para o meu filho”. “ há…., pois!”.

Uma zona do parque rapidamente ganhou para nós contornos magnéticos: a casa de banho. Ok, não a casa de banho em si, mas os muros em redor. Estavam escavados com presas e marcados com vias em código de cores, oferecendo travessias de escalada de todos os níveis. E, ao fim da tarde, também nós, cumpríamos o ritual de ir escalar lá, atraídos pelo circo que ali se formava. Ficávamos a ver o pessoal a fazer as travessias, tentando também entrar na dança, mas, reparando imediatamente que éramos dotados de dois pés esquerdos. Uma personagem chamava particularmente a atenção: rabo de cavalo, seco e musculado – tal e qual aquelas personagens dos cartoons do Manolo que sairiam na revista Escalar anos depois – executava uma travessia baixa, cheia de passos bizarros e estranhas contorções com notória fluidez. Ia, vinha, ia e tornava a vir, sem nunca se cansar. Curiosos, perguntamos ao Marcel, “Quem é?” ele olhou para nós, reflectiu um pouco e respondeu “ Es un Machaca”. SM 19/01/10

Um Fantasma na Freita

mãos vendadas

Agora? Vienen agora!?

Freita. Uma sexta-feira ao fim do dia. Sessão nocturna de bloco. A pergunta vem de um estranho vulto, que vemos ao longe, à medida que nos aproximamos de um dos sectores dos Viveiros da Granja.

Quem será? Perguntamo-nos imediatamente. A probabilidade de encontrar escaladores de bloco na Freita são reduzidíssimas, quanto mais a escovar e de noite.

O vulto está tão espantado como nós. Há duas semanas que vive – literalmente – na Freita, a escalar, não tendo visto ainda um único “blocador”, e quando finalmente aparecem, é de noite, mesmo para um tipo muito vivido no mundo da escalada, é demais.

E, acreditem que é vivido, 52 anos, e toda uma vida dedicada à escalada, principalmente às fissuras que o levaram a uma busca incessante por todos os Estados Unidos e a passar pelo menos os últimos 10 anos em Espanha, vivendo em zonas de bloco.

E, afinal somos velhos conhecidos, é Richard Cilley, uma personagem com quem me tenho cruzado esporadicamente ao longo dos últimos anos em Espanha. E cuja abordagem da escalada é no mínimo singular.

Um lento remar contra a maré: fazia bloco em Espanha quando ninguém sonhava com tal. Uma abordagem muito pessoal, com objectivos muito concretos, da escalada. Um total – aparentemente – desprezo pelo reconhecimento dos seus pares. Uma visão desassombrada e ácida do “mundinho” da escalada, própria de quem já viu tudo e não espera nada.

Portanto, a escalada reduzida à sua forma mais pura, Bloco, sem crashpad, apenas uns pés de gato rotos e algum magnésio, fornecido por escaladores que encontra ocasionalmente.

Diz-se sem força para bloquear, “ Já não tenho power, fui até ao fim da linha, acreditam que já não consigo fazer um tracção de braços?”. É difícil acreditar, ao vê-lo a escalar. Por outro lado é muito belo pensar numa escalada com total ausência de força, apenas a primazia da técnica a vir ao de cima, puro movimento sobre rocha.

Move-se de forma lenta, e ainda mais lenta quando escala, como se existisse noutra dimensão temporal, e de facto existe. Um tempo criado por ele próprio, sem constrangimentos sociais, vivendo apenas com o essencial. Uma existência reduzida ao mínimo, mínimo mesmo: “ Como é que cozinhas? Há, uso uma can, como se diz? Lata, sim é isso, e álcool, não preciso de mais nada”.

No entanto não está desfasado do nosso tempo, consulta a Internet, participa em fóruns, principalmente para pesquisar novas zonas para onde ir, mas “sempre em bibliotecas públicas”. E tem opiniões muito singulares e fortes reminiscências de uma ética cimentada há muitos anos: “existe esta fissura, um tecto, na Galiza, incrível. Acreditas que estava um tipo a faze-la e a meio deixou cair um pé apoiando-se com ele no chão, continuou depois a escalar como se nada fosse e no fim festejou com o spoter o encadeamento, simplesmente não queria acreditar”.

Se a escalada, é sinónimo de liberdade, é difícil pensar numa abordagem mais ascética: Viver nas zonas de escalada, levantar-se ao ritmo da natureza, deambular por montes e vales incorporando no trajecto a rocha, tentando captar a sua essência através do movimento, impermeável a rótulos, classificações e tendências.

Tem, no entanto, por vezes um olhar nebuloso, característica talvez de uma existência centrada em si próprio, temperada por inúmeros dias de conversas apenas consigo mesmo.

As mãos são impressionantes, se as mãos de um escalador são sempre singulares, as dele impressionam por ter uma camada de pele na parte superior que parece geneticamente modificada para escalar fissuras, e de facto escala sem vendar as mãos, mesmo as fissuras mais excruciantes, como se fosse desprovido de terminações nervosas, “ magoa? não é nada, com insistência habituas-te e depois não sentes nada” Diz-me calmamente, enquanto eu desesperado olho para as minhas pobres mãos vendadas. Estamos a experimentar um velho projecto da Freita uma incrível pança com uma fissura de dedos a fugir para mãos. Onde os entalamentos até parecem confortáveis, mas uma vez que nos penduramos, é como se uma prensa nos esmagasse as mãos, tal é a dor.

Este é o seu último objectivo, quer mudar de zona, mas esta fissura que já resolveu em pé, faz com que fique e espere mais uns dias, trabalhando pacientemente os seus movimentos, tempo não lhe falta efectivamente.

São oito e meia da noite, instala-se um nevoeiro típico da Freita, dando uma dimensão fantasmagórica aos montes que nos rodeiam. Estamos ali isolados num microcosmos, suspensos no tempo, na companhia de uma personagem que facilmente se enquadra naquele ambiente, existe? Existiu? Ou será apenas: Um Fantasma na Freita. SM 29/09/09

 

 

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: